Lifestyle Programa discute obrigatoriedade do passaporte sanitário no Brasil

Programa discute obrigatoriedade do passaporte sanitário no Brasil

Decisão recente do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), está sendo classificada como perseguição religiosa

  • Lifestyle | Ana Carolina Cury, Do R7

Restaurantes, bares e outros pontos turísticos de 249 municípios do Brasil já estão exigindo o comprovante de vacinação. Em diversos países esse tem sido um tema amplamente debatido. Afinal, como respeitar o direito de um sem ferir o do outro?

Em São Paulo, por exemplo, o funcionário da Universidade de São Paulo que não comparecer ao trabalho porque não se vacinou, terá desconto de salário e também de benefícios. No Rio de Janeiro, a Pontifícia Universidade Católica (PUC) foi a primeira a confirmar que exigirá a vacinação de professores e alunos quando as aulas presenciais retornarem.

Em decreto válido desde segunda-feira, Paulo Câmara exige que frequentadores de igrejas e templos religiosos tenham as duas doses da vacina

Em decreto válido desde segunda-feira, Paulo Câmara exige que frequentadores de igrejas e templos religiosos tenham as duas doses da vacina

Reprodução / Leo Caldas

O ministro da saúde Marcelo Queiroga já afirmou ser contra qualquer tipo de obrigação. E não apenas ele, obrigar alguém a vacinar-se é um abuso de poder para muitos. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que não apoia os passaportes sanitários em viagens.

Uma atitude preconceituosa e que persegue as igrejas. É assim que o Decreto n° 51.460 do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) que está em vigor desde 27 de setembro está sendo visto. O texto diz que, no estado, só poderão ocorrer reuniões com mais de 300 pessoas se os participantes tiverem o comprovante da vacina contra a covid-19 completo ou o exame negativo do teste para o novo coronavírus.

"Cabe a todo governante providenciar vacinas suficientes para imunizar todos os governados. Obrigar alguém a vacinar-se é abuso. Exigir o chamado 'Passaporte Sanitário' afronta o direito de ir e vir. Aplicar, especificamente, essa proibição abusiva aos frequentadores de cerimônias em templos é tudo isso e mais um pouco. É uma violência contra a liberdade religiosa", declarou o jornalista Augusto Nunes, durante o Jornal da Record, exibido no dia 28 de setembro.

Enquete

Diante deste cenário, o programa Fala Que Eu Te Escuto questionou os espectadores se para estimular a vacinação é preciso que haja obrigatoriedade ou conscientização.

"Eu moro em Recife e achei esse decreto do governador Paulo Câmara um ato ilegal que vai de encontro à nossa Constituição. A Constituição nos dá liberdade de culto e de ir e vir, então o que esse governador está tentando fazer é um absurdo. Isso sem falar que a vacinação está caminhando a passos lentos", opinou a advogada Cybelle Moraes.

Se ainda não há vacina para todos, como fazer esse tipo de exigência? Esse foi o questionamento do espectador Israel Cabral. "A conscientização é o melhor caminho, porque a forma como estão exigindo passaporte está extremamente confusa e mal organizada".

Programa discutiu até que ponto o passaporte sanitário deve ser obrigatório

Programa discutiu até que ponto o passaporte sanitário deve ser obrigatório

Divulgação

Para a enfermeira Lilian Lima, a vacina é uma medida protetiva. "As pessoas precisam entender a importância de se vacinarem para se protegerem e protegerem o próximo, porém, não concordo com qualquer obrigatoriedade, os governos precisam envolver esforços para conscientizar".

79% dos participantes da enquete afirmam que o melhor caminho para vencer a pandemia é a conscientização, e não a obrigatoriedade. "Temos que incentivar a vacinação, mas não podemos obrigar. O que alguns governadores têm feito é um erro, de querer usar da obrigação, isso afasta mais. É preciso conscientizar. No caso específico das igrejas, elas, no geral, estão tomando todos os cuidados e sempre foram parceiras do poder público e das pessoas no combate à pandemia. A atitude do Paulo Câmara foi um erro, pedimos para que ele reveja essa decisão", concluiu o apresentador Bispo Eduardo Bravo.

O programa Fala Que Eu Te Escuto é exibido de terça a sábado pela Record TV, a partir de 0h45. Quem se encontra em outros países pode assistir pela Record Internacional ou pelo Facebook.

Últimas