Lifestyle Programa discute até que ponto o Estado deve interferir na educação 

Programa discute até que ponto o Estado deve interferir na educação 

Fala Que Eu Te Escuto questionou espectadores se o governo tem esse dever ou se só deve intervir em caso de abuso

  • Lifestyle | Ana Carolina Cury, Do R7

Países nórdicos, apesar de serem muito ricos, carregam mazelas que o mundo desconhece. A Suécia, por exemplo, proibiu as palmadas na educação das crianças.

Mas, especialistas já se questionam se não foram longe demais nessa decisão. "As crianças na Suécia são extremamente mal-educadas. Eles gritam quando adultos conversam à mesa, interrompem as conversas sem parar e exigem o mesmo tratamento que os adultos", comentou o médico psiquiatra David Eberhard, autor do livro "Como as crianças chegaram ao poder".

O especialista diz que é óbvio que é preciso escutar as crianças, mas na Suécia isso já foi longe demais. "São elas que decidem tudo nas famílias: quando ir para a cama, o que comer, para onde ir nas férias, até qual canal de televisão assistir", avaliou.

Quando o Estado interfere na educação dada pelos pais, ele tira a autoridade do modo da criação dos filhos

Quando o Estado interfere na educação dada pelos pais, ele tira a autoridade do modo da criação dos filhos

Pixabay

Estado x família

Será que a interferência do governo na educação dos filhos caracteriza abuso ou direito? Essa foi a pergunta feita aos espectadores do programa Fala Que Eu Te Escuto desta quarta-feira.

"Tenho três filhos e acredito que o único papel do estado no que se refere à educação é promover o acesso às escolas. Princípios, valores e limites devem vir da família", opinou a advogada Isabel Quintela.

A empresária Enedina Paes acrescentou que os pais não podem deixar o governo interferir em um papel que é dos responsáveis. "São os pais quem devem ditar as regras, quando o estado faz isso é muito perigoso. Tenho quatro filhos e os eduquei da minha forma, com disciplina e orientação".

As autoridades da Escócia não pensam assim. O governo escocês elaborou um guia que permite que crianças, a partir dos 4 anos, escolham seu gênero e orienta professores a tratar o tema dentro da sala de aula sem o consentimento dos pais.

O espectador Sidney Cesar criticou esse tipo de imposição. "Fui criado de forma rígida, agradeço meus pais por todas as correções e por todos os nãos que recebi. O estado só deve auxiliar na formação didática e não moral, muito menos de gênero".

Para espectadores, os pais são os grandes responsáveis pela educação das crianças

Para espectadores, os pais são os grandes responsáveis pela educação das crianças

Divulgação

Conclusão

Para 90% dos espectadores do programa o estado só deve interferir na educação se houver abusos. "A Bíblia nos ensina a inserir a disciplina na criação dos filhos", comentou o apresentador Bispo Adilson Silva.

O também apresentador, Bispo Eduardo Bravo, acrescentou a importância da presença da família durante todas as estapas da formação educacional. "Os pais precisam ser presentes na vida dos filhos para eles não sofrerem fora de casa. A criança não tem a capacidade para decidir, por isso, os responsáveis precisam ensinar, orientar e exortar quando necessário, para que, no futuro, ela saiba tomar as melhores decisões".

O programa Fala Que Eu Te Escuto é exibido de terça a sábado pela Record TV, a partir de 00h45. Quem se encontra em outros países pode assistir pela Record Internacional ou pelo Facebook.

Últimas