Rinha de cães: precisamos urgente acabar com a impunidade

Os casos de maus-tratos parecem não ter fim. Os 21 pit bulls resgatados no último sábado (14) foram encaminhados para atendimento em ONGS

Os animais sobreviventes estavam muito machucados

Os animais sobreviventes estavam muito machucados

Montagem/Reprodução

Os casos de maus-tratos a animais parecem não ter fim. No último sábado (14), a polícia estourou uma rinha de cães em Mairiporã (SP) e 21 pit bulls foram resgatados, muitos deles em estado grave.

O "campeonato internacional" de briga de animais oferecia troféu, tinha camiseta estampada com a programação e até carne de cachorro assada. Ao todo, 41 pessoas foram presas, entre elas um médico veterinário.

Após quatro meses de investigação, a Polícia Civil chegou ao local ainda durante uma disputa. Dois cães precisaram ser separados, outros dois estavam mortos e os demais estavam amarrados machucados. 

Resgatado recebe atendimento

Resgatado recebe atendimento

Reprodução/Pits Ales

Três ONGS de São Paulo, “Instituto Luisa Mell”, "Encontrei um Amigo" e "Pits Ales", foram chamadas durante a madrugada para prestar atendimento e auxiliar na remoção dos animais.  "Foi uma das piores coisas que já presenciei, um cenário horroroso. E olha que estou acostumada, infelizmente. Eles foram mortos de tanto lutar para satisfazer o prazer destes doentes. Era uma coisa muito pavorosa ", conta a ativista Luisa Mell.

Os animais foram distribuídos de acordo com a gravidade do caso. “Tem alguns aqui com escoriações, mas cinco estão em estado grave e um corre risco de vida. Eles são muito bonzinhos com seres humanos, não morderam ninguém, todo mundo pegou no colo. Mas não deu para colocar um perto do outro que eles se pegam como se fosse a rinha ", explica Marina Passadore, veterinária da ONG.

Leia mais: Número de animais abandonados pela família cresce durante as férias

Os que sobreviveram serão cuidados por estes voluntários, ainda bem. Mas até quando isso vai ser obrigação de quem gosta de bicho? Alguém maltrata, mata e aí eles que saiam de casa na madrugada para socorrer os machucados?  Fora que ainda precisam arrecadar dinheiro da população para custear os tratamentos.

Passou da hora de agressor ter receio de matar filhote no meio da rua, enterrar cachorro vivo, jogar da janela do carro em movimento, bater com vassoura, colocar bicho para brigar por entretenimento...e olha que estes foram casos só deste último mês. Precisamos acabar com a impunidade!

Saiba como ajudar os pit bulls resgatados:
Instituto Luisa Mell 
Pits Ales