É de mamar! 

O blog volta da licença maternidade e traz um assunto que tem tudo a ver com alimentação: aleitamento materno. Estamos no Agosto Dourado e, aos poucos, vou trazer aqui alguns textos e dicas de como alimentar bem o seu bebê.

  • É de comer | Camé Moraes - @ehdecomer para o R7

Resumindo a Notícia

  • Agosto Dourado: grupos de apoio para lactantes
  • Rede de apoio protege amamentação
  • Precisa de ajuda para amamentar?
  • OMS recomenda amamentação exclusiva até os 6 meses
Amamentação exclusiva até os 6 meses é recomendação da OMS

Amamentação exclusiva até os 6 meses é recomendação da OMS

UNICEF

Caro leitor, foram cinco meses e meio de ausência sofrida, em que essa autora queria discutir aqui tendências alimentares e gastronômicas. Mas a parada tinha um bom motivo: cuidar e alimentar um outro ser vivo. Terminada a licença-maternidade na firma, estou de volta para conversar com vocês, trazer pesquisas, reflexões e experiências pessoais nesse universo da alimentação.


E acho que vou conseguir compartilhar mais coisas com base nessa nova experiência louca que é ser mãe. Assuntos que antes eu não pensava em escrever sobre, alternativas encontradas para beber e comer bem durante a gravidez e, porque não, depois dela. Por que muita coisa muda durante a gestação e também se você quer e pode amamentar, como é meu caso. Tem que rever seu consumo de álcool, tem que rever alguns alimentos (ou não), tem muita coisa que a gente estuda, aplica e tem coisa que a gente ignora solenemente porque ninguém é igual a ninguém.
Aproveito para lembrar que estamos na Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) e no Agosto Dourado -  que é o mês da amamentação. Nunca é demais frisar que o leite materno é o melhor alimento para o seu filho até PELO MENOS os seis meses de vida. Amamentar é uma troca entre mãe e bebê. E não é fácil. Não tem curso que te prepare o suficiente pra isso e cada mulher terá uma dificuldade única. Acho que a única REGRA num momento como esse é ter uma boa rede de apoio, buscar ajuda. E a ajuda nem sempre precisa ser na forma de uma consultora de amamentação que cobra caro por uma visita domiciliar ou uma parente que tem aquelas dicas super desatualizadas (seu leite é insuficiente, seu leite é fraco, dê um chazinho, não deixe dormir no peito etc etc etc...uma infinidade de senãos que deixam a gente atordoada e só atrapalham).

No Brasil, somente 45,7% dos bebês recebem amamentação exclusiva até os 6 meses, como recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo dados do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil de 2019,  10% das crianças menores de 5 anos já estão em sobrepeso e 18,3% em risco de sobrepeso.


Existem muitos grupos de apoio gratuitos e a boa notícia é que, com a pandemia, eles ganharam força online -  o que facilita a vida da mãe e de quem oferece apoio. Deixo aqui a dica de um instituto que desenvolve um trabalho bem legal, com grupos pelo zoom voltados para todo tipo de dificuldades, anseios, dúvidas que cada mãe e pai possam ter. Chama-se Lumos Cultural. Uma equipe multidisciplinar com médicas, nutricionistas, psicólogas e consultoras de amamentação que dão aquele apoio tão importante nessa hora que a gente acha que tá tudo dando errado. Mas calma. Vai dar certo, de um jeito ou de outro. Estamos todos aqui para provar isso. No insta do Lumos, tem as palestras gratuitas que vão rolar nesse mês. Quem sabe uma delas não se encaixa no seu perfil ou de uma amiga sua que está precisando de um suporte? Afinal, conselho ruim por aí tem o monte.
Aproveita e me segue lá no meu instagram, o @ehdecomer. Sempre dou dicas envolvendo também alimentação e maternidade.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas