Brasileiro se acha saudável, mas não enxerga o açúcar nos alimentos 

Pesquisa inédita da WW Vigilantes do Peso evidencia a falta de conhecimento da população em relação à ingestão diária de açúcar e revela 23% por cento dos entrevistados afirmam ter piorado alimentação na quarentena.

Brasileiros não enxergam o açúcar escondido nos alimentos industrializados

Brasileiros não enxergam o açúcar escondido nos alimentos industrializados

Pixabay

A verdade dói e às vezes precisamos de um espelho bem grande para enxergá-la. Este blog teve acesso a uma pesquisa inédita encomendada para a Opinion Box pela WW Vigilantes do Peso (empresa que visa melhora no estilo de vida, emagrecimento e equilíbrio). O estudo mostra o descompasso entre o discurso e a realidade. Com mil e sessenta e cinco entrevistados em todo o território, o levantamento feito nas duas primeiras semanas de agosto traz constatações que muita gente só teria no divã de um analista. 58% dos brasileiros se consideram saudáveis, mas mantêm hábitos que não condizem com isso. Destes apenas metade ingere 1,5l de água, o que é o recomendado pela OMS. 71% dormem menos de 8h por dia. E 26% classificam a alimentação como regular ou ruim.
Não dá pra se considerar saudável e ter uma alimentação ruim. Parte desses erros vem também da falta de conhecimento sobre o açúcar escondidos nos alimentos industrializados. Só 23% de todos os entrevistados dizem ler as tabelas nutricionais dos alimentos sempre ou quase sempre. Com isso passam a não enxergar a quantidade de açúcar que há em processados como sucos e massas por exemplo. Quase metade (45%) não sabe que há o ingrediente em macarrão e massas industrializadas, em geral. E é justamente ele que tem um dos maiores índices de consumo semanal entre os entrevistados (52%), ao lado de outras categorias com açúcar, como doces e biscoitos (53%).

Consumo de macarrão cresceu 20% para entrevistados na pandemia

Consumo de macarrão cresceu 20% para entrevistados na pandemia

Pixabay


Oito em cada dez participantes da pesquisa sabem que a quantidade recomendada por dia de açúcar pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de até seis colheres de chá (25g), mas quatro em cada dez afirmam consumir acima do recomendado.
A pandemia só piorou isso. Houve aumento de consumo por parte dos entrevistados de Pães (32%); Doces e biscoitos (25%); Hambúrguer, pizza e fast food em geral (22%); Chocolate (21%); Refrigerante (21%); Macarrão, macarrão instantâneo e outras massas (20%).

A pressa também é inimiga da perfeição... 69% dos entrevistados afirmam se alimentar pior quando estão apressados e facilidade de um produto industrializado à mão acaba arrebatando 56% dos brasileiros ouvidos na pesquisa.


Na coletiva de imprensa, em que os dados foram publicados, a WW Vigilantes do Peso também divulgou o lançamento de uma calculadora que explica a quantidade de açúcar escondida nos alimentos, para aqueles que aderem ao programa de controle de peso da empresa. É uma ideia interessante pra quem não tá afim de ler rótulos e analisar todo pacote de ultraprocessado que ingerir. Pode criar hábitos e mudar rotinas. Mas com ou sem calculadora de açúcar,  ler o rótulo é bom, é educativo e te mostra outras porcarias que você pode colocar pra dentro -  como sódio em excesso e gordura trans. Então fica a dica, aproveita que você já mudou alguns hábitos na quarentena e mude mais esse, procure entender o que você está consumindo para ter uma vida mais saudável. Nesse caso, a ignorância não é uma bênção.
Me siga lá, no @ehdecomer para dicas de gastronomia no geral e também de alimentação saudável/ sustentável.