Comemore o começo, mas não se esqueça do fim

No último dia de 2022 é hora de dar as boas-vindas ao novo ano que se inicia e refletir sobre o que é mais importante

Getty Images

Os preparativos para a entrada do ano nos deixam bastante atarefados: arrumar e decorar a casa, preparar a ceia, escolher a roupa adequada, instruir os filhos para se comportarem diante das visitas. Tudo precisa estar perfeito para que a data fique marcada na memória de todos.

Sem dúvida, tudo isso é muito bom, porém, também é momento de refletir. É hora de usar o passado como referência e fazer as correções necessárias na rota que a vida está trilhando para que os dias que virão sejam melhores do que aqueles que não voltam mais.

O início de cada ano não se resume à troca de calendário, mas, sim, à expectativa de um novo ciclo que traz consigo oportunidades e esperança. E para que 2023 seja realmente melhor não basta desejar, almejar nem mesmo ansiar, mas, sim, sacrificar em prol daquilo que queremos.

Não basta querer estar bem com a família, é preciso ter paciência, tolerância e respeitar as diferenças, sejam elas quais forem.

Não basta querer prosperar, é preciso se esforçar por aquilo que se quer, poupar e viver com responsabilidade, dentro daquilo que é possível.

Não basta comemorar o começo, é preciso pensar no fim. Isso mesmo, no fim de todas as coisas, o que inclui a nós mesmos.

Em suas sábias palavras, o rei Salomão nos instrui a esse respeito:

“Melhor é o fim de todas as coisas do que o princípio delas; melhor é o paciente de espírito do que o altivo de espírito. Não te apresses no teu espírito a irar-te, porque a ira repousa no íntimo dos tolos. Nunca digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Porque não provém da sabedoria esta pergunta. Tão boa é a sabedoria como a herança, e dela tiram proveito os que veem o sol. Porque a sabedoria serve de defesa, como de defesa serve o dinheiro; mas a excelência do conhecimento é que a sabedoria dá vida ao seu possuidor.” (Eclesiastes 7:8-12).

O paciente de espírito, que não se ira e que não vive no passado, é sábio e possui a verdadeira vida, assim como aquele que pensa mais no fim das coisas do que no princípio delas. Quando pensamos que não estaremos aqui para sempre e que muitos dos que estavam preocupados com os preparativos para este novo ano já não estão mais aqui, passamos a dar mais valor ao que realmente interessa.

Os problemas cotidianos deixam de fazer sentido e voltamos os nossos olhos para coisas mais importantes. Perdoamos, pedimos perdão, somos gratos, preferimos dar mais do que receber e passamos a valorizar mais o que está dentro de nós do que aquilo que vem de fora.

Comemorar os inícios é algo muito bom, mas não devemos esquecer de meditar sobre o fim de todas as coisas, para que, de fato, o último momento — venha quando vier — seja melhor do que o princípio. Feliz 2023!

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages