Patricia Lages Análise: seu trabalho é uma extensão de quem você é

Análise: seu trabalho é uma extensão de quem você é

Ninguém deve ser resumido ao trabalho que exerce, somos mais que isso. Mas não podemos desassociar quem somos da nossa vida profissional

Profissional tem características pessoais que não se aprendem nas faculdades

Profissional tem características pessoais que não se aprendem nas faculdades

Pexels.com

A maneira como você realiza o seu trabalho, seja ele qual for, reflete quem você é. A sua profissão indica apenas o que você está habilitado a executar, mas a forma como você desenvolve o seu trabalho está tão ligada a você que chega a ser uma extensão de quem você é.

As empresas já sabem disso e, por essa razão, cada vez menos se importam com o currículo dos candidatos. Em contrapartida, tentam se cercar ao máximo de informações reais, até mesmo pesquisando as redes sociais dos candidatos e, nas entrevistas, empregando técnicas cada vez mais elaboradas para tentar ler nas entrelinhas quem, de fato, você é.

Afinal de contas, ninguém chega em uma entrevista de emprego dizendo que “enfia o pé na jaca” todo fim de semana, que costuma ter problemas de relacionamento com os colegas de trabalho e que não suporta nenhum tipo de pressão.

As pessoas já sabem o que dizer e como devem parecer em um processo de seleção, mas o que elas não sabem é como deixar de ser quem são. Por isso, não se pode achar que uma pessoa que briga com todo mundo em seus perfis pessoais nas redes não tem nada a ver com ser um profissional “barraqueiro”. Tem tudo a ver! Além do que, há um agravante: nas suas redes você é livre para escolher o que vai publicar, portanto, tudo o que está lá representa aquilo que você acha normal, comum e aceitável.

O mesmo se enquadra a quem quer subir de cargo, pois a maneira como você se comporta hoje, em um cargo menor, será potencializada em um cargo maior. Isto é, quem age com irresponsabilidade em um cargo menor, vai ser ainda mais irresponsável em um cargo maior, passando o que caberia a ela resolver para que seus subordinados se virem.

O verdadeiro bom profissional possui características pessoais que não se aprendem nos bancos das faculdades, mas que são imprescindíveis para qualquer carreira, como educação, firmeza de caráter, tolerância, serenidade, bom senso, bondade, justiça, honestidade, responsabilidade, resiliência etc.

Mas, o que se vê hoje em dia é muito “ter” (diplomas, cursos etc.) e pouco “ser”, o que faz com que muitas pessoas cheias de formações não alcancem sucesso, enquanto outras que não se prepararam tanto acabem passando na frente.

Portanto, quem deseja realmente ser um profissional bem-sucedido precisa, antes de mais nada, ser uma pessoa bem-sucedida.

Patricia Lages

É jornalista internacional, tendo atuado na Argentina, Inglaterra e Israel. É autora de cinco best-sellers de finanças e empreendedorismo e do blog Bolsa Blindada. Ministra cursos e palestras, tendo se apresentado no evento “Success, the only choice” na Universidade Harvard (2014). Na TV, apresenta os quadros "Economia doméstica" no programa "Mulheres" TV Gazeta e "Economia a Dois" na Escola do Amor, Record TV. No YouTube mantém o canal "Patrícia Lages - Dicas de Economia", com vídeos todas as segundas e quartas.

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages