Novo Coronavírus

Patricia Lages Análise: Sede de poder mata mais que qualquer vírus

Análise: Sede de poder mata mais que qualquer vírus

A ciência foi deixada de lado há muito tempo e o vírus se tornou ferramenta de governantes inescrupulosos e sedentos de poder

Qual a lógica de impor fase vermelha nos fins de semana e a partir das 20h?

Qual a lógica de impor fase vermelha nos fins de semana e a partir das 20h?

BRUNO ROCHA - 22.01.2021/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

É certo que no início da pandemia nenhum governo sabia ao certo que tipo de atitude tomar diante de um vírus pouco conhecido. Diversos países passaram a adotar quarentenas e, em alguns casos, decretaram lockdown com um único objetivo: ganhar tempo para poder equipar os sistemas de saúde e evitar que entrassem em colapso.

Porém, em várias partes do Brasil, a exemplo do estado de São Paulo, o lockdown virou ferramenta política e manobra de controle, tanto da população quanto da economia. Estamos presenciando arbitrariedades sem precedentes, que ganham força e adeptos por conta do apoio fundamental da grande mídia. Esta, por sua vez, fecha os olhos para dados e fatos, focando apenas nas verbas milionárias de publicidade que, diga-se de passagem, João Doria ampliou em quase 70% para 2021. É dinheiro suficiente para comprar capa de revista, primeiras páginas em jornais e calar a boca de muita gente.

Doria, Witzel – afastado do governo do Rio desde agosto passado – e vários outros governantes amantes da quarentena eterna fecharam hospitais de campanha, reduziram a verba da saúde e são acusados de sobrepreço e superfaturamento nos gastos no “combate à pandemia” sem licitação. Se estavam tão preocupados com a saúde da população, por que desmontaram os hospitais de campanha que custaram milhões do dinheiro do contribuinte e por que reduziram as verbas destinadas à saúde? É assim que se salvam vidas?

A questão é que não há nenhuma comprovação científica e nenhum estudo real que fundamente as regras estúpidas que o gestor que se acha presidente está impondo ao estado de São Paulo. Não há lógica alguma em impor fase vermelha nos fins de semana e a partir das 20h nos dias úteis para “combater a disseminação da covid-19”. Essa é apenas mais uma manobra orquestrada pelo governador mascarado que decreta lockdown e, horas depois, vai curtir a vida em Miami, sem máscara.

O novo discurso furado prega que os casos de coronavírus “explodiram” por conta de paulistas rebeldes que se aglomeraram em festas de fim de ano e nas praias. Excluindo-se os globais que foram flagrados comemorando por aí, eles podem, claro! Mas, quem em sã consciência acredita que o vírus se propaga em festas e praias, mas não nas aglomerações diárias que jamais foram resolvidas nos transportes coletivos? Qual é o objetivo de impor ao comércio que meça a temperatura de cada cliente que entra, de dispor litros de álcool gel e demarcar o piso com um X a cada dois metros, mas, em contrapartida, liberar geral para que qualquer pessoa possa entrar em um ônibus lotado sem nem passar perto de um termômetro, viajando em pé e colado ombro a ombro com dezenas de pessoas? E que ciência há em poder circular até 19h, mas não após as 20h? Que tipo de vírus age de uma forma nos fins de semana e de outra nos dias úteis? É simplesmente revoltante ver do que pessoas sem nenhum escrúpulo são capazes para pôr em prática o seu plano de poder.

Para manipular mentes, basta manipular dados

Os testes PCR, amplamente usados no mundo todo, são aplicados em grande parte com ciclos de amplificação 40, o que resulta em mais de 97% de falsos positivos. Não, você não leu errado: os testes PCR como estão sendo feitos apresentam mais de 97% de falsos positivos. A afirmação vem de um estudo conduzido por 22 cientistas renomados, que pode ser lido na íntegra aqui. Segue o trecho original (em inglês) que menciona o dado e, logo abaixo, a tradução.

“The number of amplification cycles (less than 35; preferably 25-30 cycles);
In case of virus detection, >35 cycles only detects signals which do not correlate with infectious virus as determined by isolation in cell culture; if someone is tested by PCR as positive when a threshold of 35 cycles or higher is used (as is the case in most laboratories in Europe & the US), the probability that said person is actually infected is less than 3%, the probability that said result is a false positive is 97%.”

“O número de ciclos de amplificação (menos de 35; de preferência 25-30 ciclos);
No caso de detecção do vírus, maior que 35 detecta apenas sinais que não se correlacionam com o vírus infeccioso, conforme determinado pelo isolamento em cultura de células; se alguém é testado por PCR como positivo quando um limite de 35 ciclos ou mais é usado (como é na maioria dos laboratórios na Europa e nos EUA), a probabilidade de que essa pessoa esteja realmente infectada é inferior a 3%, a probabilidade que o referido resultado é um falso positivo é de 97%.”

Curiosamente, uma hora após a posse de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu que é preciso ter cautela com os “resultados positivos fracos”. Sobre isso, o médico Alessandro Loiola se manifestou em seu Twitter: “Passe de mágica: pegue um exame que produz 97% de falsos positivos, teste muitos que morreram por qualquer causa e veja a taxa de letalidade de uma doença subir. Suspenda o exame, direcione o diagnóstico para um conjunto de sintomas específicos e veja a taxa de letalidade despencar.”

É uma estratégia bem simples: o que vai determinar se a pessoa tem ou não uma doença, morre ou não de uma doença é um teste cuja eficiência está abaixo de 3%, mas ninguém precisa ficar sabendo, afinal, não vamos correr o risco de as pessoas se sentirem “seguras demais” e voltarem a viver como se não houvesse pandemia.

Conforme o rumo que a elite queira impor, a grande mídia aterroriza a população 24 horas por dia, mas puxa o freio quando convém, como no caso das eleições, quando era totalmente seguro sair de casa para votar em ambos os turnos. Segundo a “demanda”, os casos aumentam ou diminuem, o comércio abre ou fecha, as pessoas circulam ou não. E assim os aproveitadores controlam, manipulam, fazem farra com dinheiro público e vão “arriscar a vida” por mim e por você, em Miami.

Saiba que tudo isso é para salvar a sua vida e que você terá acesso “gratuito” a uma vacina 50% eficiente, ainda que ninguém se responsabilize, nem mesmo o laboratório que a desenvolveu em tempo recorde e oficializou a venda por meio de um contrato com “cláusulas confidenciais”. Mas calma, fique tranquilo, afinal tudo está acontecendo conforme planejado e, para você, nada mudou. Como sempre, o risco das decisões impostas a você, caro colega, continua sendo todo seu.

Autora

Patricia Lages é autora de 5 best-sellers sobre finanças pessoais e empreendedorismo e do blog Bolsa Blindada. É palestrante internacional e comentarista do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages