Patricia Lages Análise: Por que a esquerda odeia tanto a classe média?

Análise: Por que a esquerda odeia tanto a classe média?

Pessoas que não dependem do Estado para ter saúde e educação e que empreendem por conta própria não interessam à esquerda

O tipo de governo que a esquerda implanta em todos os países por onde se alastra é exatamente o modelo que vemos na Venezuela: um único poder dominante e, abaixo dele, o povo.

No modelo esquerdista o Estado aparece como único provedor de todos, uma espécie de “pai dos pobres”, agindo com controle absoluto enquanto o povo nada mais é do que uma massa desinformada totalmente dependente das migalhas que o governo deixa cair de sua mesa abastada.

Antes que o populismo de esquerda destruísse a Venezuela — fazendo com que o quarto país mais rico do mundo se tornasse o mais pobre da América Latina —, havia uma classe média formada por cerca de 30 milhões de pessoas.

Protesto na Venezuela: povo dependente das migalhas que o governo deixa cair de sua mesa abastada.

Protesto na Venezuela: povo dependente das migalhas que o governo deixa cair de sua mesa abastada.

Manaure Quintero/ Reuters - 31.3.2019

Hoje, com o discurso de “erradicação da desigualdade social”, a Venezuela é um país onde 95% da população é igualmente pobre. Na verdade, não somente pobre, mas vivendo abaixo da linha da pobreza.

Em meio ao esfacelamento da Venezuela, a classe média foi esmagada por todos os lados e se viu obrigada a escolher entre duas opções: deixar o país (como mais de 4 milhões de venezuelanos de classe média fizeram) ou permanecer e empobrecer. 

O tipo de governo que a esquerda impõe é aquele em que o estado dissimuladamente quebra as duas pernas das pessoas para, em seguida, lhes oferecer um par de muletas de má qualidade. Assim, todo recém-aleijado se sentirá grato pela “ajuda” de poder voltar a andar (ou pelo menos se arrastar) e na eleição seguinte votará naqueles cujo discurso se baseia justamente na distribuição de muletas.

É uma espécie de crime quase perfeito. O único problema é essa indigesta classe média que anda com as próprias pernas e não depende do governo, ao contrário, o carrega nas costas. E sempre que o Estado aparece é apenas para atrapalhar, jamais para facilitar o empreendedorismo, a independência e o progresso. Esse tipo de coisa simplesmente não interessa para os sedentos de poder.

A esquerda não quer formar cidadãos independentes, e o tipo de ensino que temos visto nas últimas décadas só comprova a afirmação. A esquerda quer um povo desinformado, uma nação de analfabetos funcionais facilmente manipuláveis e que se sujeitam à dominação de agentes corruptores sem nem sequer se dar conta disso.

A esquerda reza a cartilha do “socialismo para você, capitalismo para mim”, ou, em outras palavras: “casamento milionário para mim, uma televisão só para você”.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages