Patricia Lages Análise: Pai e filhos são presos após reagirem a assalto

Análise: Pai e filhos são presos após reagirem a assalto

Ladrões denunciaram as três vítimas por “maus-tratos”, e elas foram presas, enquanto os bandidos respondem em liberdade

  • Patricia Lages | Patricia Lages, do R7

Vítimas acabaram presas após manterem bandidos detidos até a chegada da polícia

Vítimas acabaram presas após manterem bandidos detidos até a chegada da polícia

Pixabay

Walter, Brian e Ernesto – assim como qualquer pessoa com o mínimo de senso de justiça – jamais imaginariam que evitar um assalto dentro da própria casa terminaria com os ladrões soltos e as vítimas na cadeia.

O trio formado por pai e filhos vive em San Lorenzo, na província de Santa Fé (Argentina), e foi surpreendido por dois ladrões que invadiram sua residência para praticar um assalto. Os três conseguiram render os bandidos e os mantiveram presos, em casa, até entregá-los à polícia.

Mas foi depois que saíram da delegacia que uma surpresa ainda maior aconteceu: os três tiveram que retornar, mas agora não como vítimas, mas sim como criminosos. Ocorre que os ladrões denunciaram o trio por agressão, cárcere privado e “maus-tratos”.

Por causa disso, pai e filhos foram detidos em 23 de fevereiro e, após dois pedidos de extensão das prisões preventivas – um de 15 dias e o outro de mais 30 –, continuam encarcerados. Enquanto isso, os bandidos respondem em liberdade pela tentativa de assalto.

O defensor público Leandro Demichelli entrou com um pedido de habeas corpus alegando legítima defesa, porém ele foi negado.

Tanto o pai quanto os filhos não possuem antecedentes criminais. Já os ladrões Nicolás Tofanelli e Alexis Obregón têm passagens por roubo e tentativa de homicídio.

Segundo a ex-mulher de Walter e mãe dos dois rapazes, eles estão “sendo tratados como delinquentes”. Ela também afirmou que o juiz alega que eles não poderiam ter feito “justiça com as próprias mãos”.

É esse tipo de coisa que acontece em países onde a política esquerdopata vê os bandidos como “vítimas da sociedade” e qualquer um que tente se defender como “justiceiro” e “fora da lei”. Por aqui temos a turma do “não aguento mais ver ‘menino’ sendo preso só porque rouba celular” e da descriminalização do “furto por necessidade” e do “furto insignificante”, ainda que a pessoa seja reincidente.

Não podemos fazer justiça com as próprias mãos, enquanto os bandidos podem fazer qualquer injustiça com as mãos – armadas, inclusive –, sabendo que a impunidade é quase sempre certa. Parabéns a todos os envolvidos!

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages