Análise: Lockdown para vocês, Miami para mim

João Doria sabe ser um ótimo gestor quando o assunto é a própria vida. Enquanto decreta a volta à fase vermelha, vai a Miami

Mesas vazias em bar de São Paulo

Mesas vazias em bar de São Paulo

ETTORE CHIEREGUINI - 05.12.2020/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO

Uma das frases que mais tenho dito nos últimos meses é “eles nem escondem mais”. E, mais uma vez, essa sentença tem tudo a ver com o que estamos vivendo desde que nossas liberdades foram cerceadas supostamente em nome da preservação de vidas.

Qualquer líder com o mínimo de dignidade seria o primeiro a dar o exemplo seguindo suas próprias regras. Ou será que faz sentido para você que alguém mande os outros ficarem em casa, sem nem poder receber a família, quando ele e sua própria família circulam livremente dentro e fora do país?

É isso: eles nem escondem mais... e sabe por quê? Porque não é preciso, afinal, os paulistanos – assim como boa parte dos brasileiros – já sucumbiram diante dos desmandos de quem decreta lei seca para evitar aglomerações em bares e restaurantes, mas, na mesma noite, promove jantar de celebração de sua empresa, incluindo obviamente aglomeração de pessoas.

Eles sabem que as pessoas acreditam piamente que “aglomerações do bem” não oferecem perigo. Eles sabem que não importa toda incompetência que têm demonstrado ao nunca terem resolvido as aglomerações nos transportes públicos. Eles sabem que as pessoas já colocaram na cabeça que só podem ir ao supermercado e à farmácia e que isso é melhor do que estar morto. Eles sabem que as pessoas já aceitaram que não é hora de celebrar coisa alguma, ainda que vejam que eles celebram o que querem e quando querem.

Para eles as coisas estão melhores do que nunca, pois jamais tiveram tanto poder nas mãos, enquanto as pessoas se ocupam unicamente em se manterem vivas, ainda que não tenham emprego, renda, CPF limpo e nem mesmo liberdade dentro de casa. Muitos brasileiros decretaram a si mesmos que é preciso obedecer cegamente às regras ainda que aqueles que as criam nem se deem ao trabalho de fingir que elas fazem algum sentido.

Se você não pode sequer reunir a própria família e deve voltar a se trancar em casa, como explicar que um governador, horas depois de decretar novo lockdown – para salvar a sua vida – descumpra a própria regra e viaje para Miami com sua esposa para curtir a vida? E como explicar que alguém que zela tanto pela saúde dos outros não esteja preocupado que seus filhos não ficaram em casa, mas estejam curtindo a vida em Trancoso, na Bahia? É isso: filhos em Trancoso, população trancada.

A mensagem é clara: conseguiram impor um controle jamais visto em tempo algum. E se houver qualquer questionamento com respeito às suas “boas” intenções será bem administrado com muita publicidade. Muita, mas muita mesmo, pois a verba de publicidade do estado de São Paulo foi ampliada em quase 70%. Em plena pandemia é hora de fazer sacrifícios, não é mesmo? Desde que seja por parte da população, claro!

Autora

Patricia Lages é autora de 5 best-sellers sobre finanças pessoais e empreendedorismo e do blog Bolsa Blindada. É palestrante internacional e comentarista do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages