Patricia Lages Análise: Hipocrisia é livre, arrogância também 

Análise: Hipocrisia é livre, arrogância também 

Exigir dos outros o que a própria pessoa não faz é hipocrisia. Achar-se superior aos outros é arrogância. Tudo isso a gente vê por aí

A forma como a pandemia vem sendo tratada no Brasil escancarou várias falhas de caráter da nossa sociedade que, até então, existiam de forma mais velada. Uma delas é a hipocrisia que, sem dúvida, sempre reinou, mas que antes se ocultava sob o manto de uma falsa empatia e cordialidade. O mesmo aconteceu com a arrogância de quem sempre se achou superior, mas que agora age descaradamente mostrando o quanto, de fato, acredita nisso.

Hoje em dia as pessoas não têm o menor pudor em mandar os outros ficarem em casa quando elas mesmas não estão. Dizem para os outros terem paciência e se sacrificarem – pois “tudo é pelo bem de todos e vai passar” – quando elas mesmas não abriram mão de absolutamente nada. Continuam trabalhando, indo ao cabeleireiro, recebendo seus empregados em casa, viajando nas férias e esfregando na cara dos próprios seguidores que seus diversos projetos profissionais estão indo de vento em popa. Carreira em crescimento, conta bancária recheada, discursinho hipócrita na ponta da língua.

Ver tantas empresas falidas, tanta gente desesperada sem ter nem sequer o que comer é motivo de muita tristeza. Mas ver gente que se acha superior aos outros a ponto de usar um meio de comunicação para demonstrar todo desprezo que sente por quem não tem a mesma opinião só produz um tipo de sentimento: dó. Não há como não sentir pena de quem realmente se acha superior, de quem acredita que pode tudo enquanto os outros não podem nada, a não ser chorar.

Comércio fecha durante  lockdown: medida não é unanimidade em nenhum país do mundo

Comércio fecha durante lockdown: medida não é unanimidade em nenhum país do mundo

Marcelo Camargo/Agência Brasil - 01.03.2021

A frase “o choro é livre” é muito mais do que uma colocação infeliz. Ela é a revelação do que se passa na cabeça de pessoas que se acham no direito de controlar o que deve passar na cabeça dos outros. É a manipulação despida de todos as alegorias, é a arrogância nua e crua. E como se isso fosse pouco, ainda vem depois de uma informação inverídica. Em referência ao lockdown, Maju Coutinho afirmou que: “Os especialistas são unânimes em dizer que essas são medidas indispensáveis agora para conter a circulação do vírus.”

Não, Maju. Não há, nem nunca houve unanimidade alguma nesse sentido em nenhum país do mundo e você sabe muito bem disso. Mas, não contende em transmitir uma informação falsa, ainda soltou a pérola “o choro é livre, não dá para a gente reclamar, é isso que tem.” E o que tem para uma pessoa que diz isso como se nada fosse é uma enxurrada de críticas e protestos nas redes sociais por parte de milhares de pessoas que, com toda razão, se sentiram ofendidas.

A arrogância, porém, é algo que se enraíza de tal forma que, ao não ter capacidade de compreender que errou, a pessoa simplesmente não consegue formular um pedido de desculpas sem reiterar o desprezo que sente. Afinal de contas, que tipo de retratação é essa que termina com “vamos nessa, bola pra frente”? Sinceramente não sei qual das frases é mais infeliz, mais indiferente e mais arrogante. É esse tipo de coisa que a gente vê por aí.

Autora

Patricia Lages é autora de 5 best-sellers sobre finanças pessoais e empreendedorismo e do blog Bolsa Blindada. É palestrante internacional e comentarista do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages