Análise: Falta de tempo virou virtude

Ter uma rotina de trabalho exaustiva – ou parecer que tem – virou sinônimo de sucesso e qualquer espaço na agenda se torna preocupação

Falta de tempo virou questão de virtude

Falta de tempo virou questão de virtude

Pixabay

Em uma viagem de trabalho, encontrei a equipe de organizadores no aeroporto e, enquanto tomávamos café aguardando o horário de embarcar, uma das pessoas me perguntou por que eu não estava escrevendo um novo livro naquele momento. Respondi que era por pura falta de tempo devido a outros projetos e ela, interrompendo a minha resposta, replicou: "Sabia! Senti daqui a sua satisfação em dizer que não tem tempo. No fundo você se orgulhou em dizer isso!"

Porém, a percepção da pessoa – que havia acabado de me conhecer – não poderia estar mais equivocada. Todas as vezes que eu dizia não ter tempo para alguma coisa, sentia muita vergonha por não ser mais organizada ou mais capaz de fazer o que supostamente deveria estar fazendo. Desde 2013 eu vinha lançando um livro por ano, mas em 2018, apesar de estar com um novo livro pronto, a editora preferiu cancelar o lançamento, pois a estratégia seria trabalhar os cinco livros anteriores em vez de apostar em um projeto novo.

Foi aí que parei para pensar que o ritmo de trabalho estava rápido demais e, com isso, era a minha própria carreira que estava perdendo. Como os livros sempre venderam muito bem nos lançamentos, eu achava que já tinha que partir para o seguinte. Mas as coisas não são assim no mercado editorial (e nem na vida), pois meus contratos são de dez anos para cada obra e isso significa que elas têm que continuar vendendo (e que temos de continuar vivendo).

Essa cobrança por produzir muito e "dar conta de tudo" estava ocupando um lugar tão elevado no meu modo de encarar o trabalho que, muitas vezes, me sentia extremamente culpada por estar descansando. A verdade é que eu mal conseguia descansar devido ao cansaço que o excesso de preocupação por estar descansando me fazia sentir...

Perceber que a falta de tempo não é uma virtude não foi fácil. Desacelerar a rotina exaustiva e não sentir culpa por isso também é bastante difícil diante da imposição (ou autoimposição) de que o “certo” é ser uma pessoa altamente ocupada o tempo todo.

Uma rotina sem tempo para nada não é sinônimo de sucesso. Ao contrário, é uma forma de negligenciar a saúde, a família e a vida em si. Organizar o tempo priorizando o que é mais importante, manter a disciplina do que precisa ser feito e ter pulso firme para não procrastinar as responsabilidades são tarefas que precisam ser desenvolvidas, mas sempre com equilíbrio e sem ceder às falsas sinalizações de virtude.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages