Patricia Lages Análise: educação no Brasil piora e índices do PISA preocupam

Análise: educação no Brasil piora e índices do PISA preocupam

O desempenho dos alunos brasileiros no PISA conseguiu ser pior do que nos anos anteriores e os resultados estão aí para todo mundo ver

Brasil continua passando vergonha na Educação

Brasil continua passando vergonha na Educação

Pixabay

Este mês foi divulgado o resultado da última edição do PISA, sigla em inglês para Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. O Brasil faz parte da prova desde o início da pesquisa, em 2000, com coordenação do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).

No ano passado foram avaliados cerca de 600 mil estudantes de 80 países, sendo 13 mil do Brasil, todos com 15 anos de idade. Os resultados são desastrosos, para dizer o mínimo, pois, se na penúltima edição o desempenho dos alunos brasileiros foi ruim, agora chegou a um nível alarmante.

Em matemática, mais de 68% dos estudantes brasileiros estão no pior nível de proficiência, mas não só isso, os alunos não possuem nem mesmo o nível básico. A posição do Brasil que era a 65ª entre 80, despencou para a 70ª posição. Lembra-se que temos mais de 60 milhões de inadimplentes no Brasil? Por que será?

O Brasil tem a quinta maior desigualdade do mundo em matemática, mas consegue ser ainda pior em leitura. Sabe quando alguém publica em alguma rede social que está vendendo bolo de chocolate a 5 reais o pedaço e as pessoas enchem a postagem de perguntas como: “qual o sabor do bolo?”, “quanto custa?”, “vende fatia ou só inteiro?”. Então... é isso! Infelizmente 50% dos alunos não chegaram ao mínimo de proficiência que devem ter no ensino médio em seu próprio idioma.

E se você acha que não tem como piorar, segura essa: nenhum aluno alcançou a proficiência em ciências. Isso mesmo: nenhum! Aliás, 55% não alcançaram nem sequer o nível básico na disciplina.

Para fechar o caixão, como diriam os mais velhos, o resultado da avaliação aponta que, em relação ao nível de escolaridade, nossos estudantes estão atrasados em dois anos e meio na comparação com os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Não é à toa que as pessoas caem tão facilmente em enganações que nem precisam ser tão bem elaboradas, que acreditam em toda e qualquer notícia falsa e que discutam acaloradamente sobre coisas que nem sequer entendem. É triste, mas é real e não é preciso pesquisar muito para saber que nossa situação está indo de mal a pior.

É o resultado de décadas de descaso com a educação pública de governos altamente incompetentes e que se beneficiam da ignorância de seu povo. Enquanto o Estado centralizar o ensino não dá para pensar em um futuro com muita esperança de melhora.

Patrícia Lages

É jornalista internacional, tendo atuado na Argentina, Inglaterra e Israel. É autora de cinco best-sellers de finanças e empreendedorismo e do blog Bolsa Blindada. Ministra cursos e palestras, tendo se apresentado no evento “Success, the only choice” na Universidade Harvard (2014). Na TV, apresenta o quadro "Economia a Dois" na Escola do Amor, Record TV. No YouTube mantém o canal "Patrícia Lages - Dicas de Economia", com vídeos todas as terças e quintas.

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages