Coronavírus

Patricia Lages Análise: Delírios autoritários e população passiva

Análise: Delírios autoritários e população passiva

Políticos de várias partes do país assinam decretos que nada têm a ver com ciência e saúde, enquanto população aceita e agradece

Região da 25 de Março, na fase vermelha do Plano São Paulo, neste domingo

Região da 25 de Março, na fase vermelha do Plano São Paulo, neste domingo

Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo – 07.03.2021

Governadores e prefeitos nunca tiveram tanto poder nas mãos e, como já é de se esperar quando esse tipo de coisa acontece, nunca fizeram tantas arbitrariedades com o consentimento da população como estamos testemunhando.

A falta de caráter tem atingido níveis absurdos, pois, de todos os lados, estão políticos inescrupulosos se aproveitando de uma crise sanitária para obter capital político, principalmente de olho nas próximas eleições. Tudo para obterem ainda mais poder, sentando-se em cadeiras mais altas. E quanto mais alta a cadeira, mais longe da realidade “aqui de baixo” eles ficam.

Mais do que nunca usam e abusam do “acuse-os do que você faz, chame-os do que você é”, mentindo o tempo todo enquanto acusam o outro lado de promover “fake news”. E a nós, o povo, resta apenas o dever de obedecer a regras estúpidas, sem nenhuma comprovação científica, mas com muita demonstração de autoritarismo.

Não contentes em definir qual tipo de estabelecimento comercial é ou não essencial, quem pode ou não trabalhar, onde as pessoas vão e a que horas voltam, agora já começam a determinar o que a população pode comprar ou não.

Sem a menor justificativa pró-saúde, os cidadãos gaúchos não poderão comprar nada que o governador Eduardo Leite (PSDB) julgue não ser essencial. Até 21 de março, os gaúchos só poderão comprar alimentos e produtos de higiene e limpeza.

“Nossa intenção é reduzir a circulação de pessoas nos supermercados, para que se dirijam a esses estabelecimentos apenas para comprar itens essenciais. Assim, reduzimos a circulação, a entrada e a permanência nesses estabelecimentos”, afirma Leite sobre um decreto que mais parece um delírio.

Mas na competição pela regra mais estapafúrdia, eis que Nilson Timporin (PTB), prefeito da pequena Guarani d’Oeste, interior de São Paulo, decreta que a iluminação urbana seja apagada a partir das 20h30 “para evitar aglomerações”. De acordo com o raciocínio (se é que há algum), as pessoas ficarão “seguras dentro de casa” e, para arrematar a decisão, Timporin afirmou que “o dia que morrermos vamos ficar na escuridão eterna”. Tomara que o prefeito tenha tocado os corações dos criminosos da região para que nem pensem em aproveitar a oportunidade para barbarizar a cidade.

E como se tudo isso fosse pouco, temos um emaranhado de mentiras em torno da vacinação, onde um lado acusa o outro de ser genocida, negacionista, terraplanista e todas as palavras que essa classe política podre inventa para parecer que se preocupa com alguém além de si mesma.

A verdade é que ainda não há produção suficiente de vacinas, portanto, não há como acelerar a vacinação, independentemente de oportunismo, exibicionismo ou ainda que houvesse boa intenção. Mas, em vez de esclarecer a população e unir forças, foi formado mais um cabo de guerra sobre quem é o culpado pela suposta morosidade, ignorando que o Brasil é o primeiro país dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e o segundo da América Latina com mais doses aplicadas a cada 100 habitantes. Fatos não importam mais, apenas narrativas fantasiosas e muito dinheiro para fazer publicidade, a exemplo dos R$ 90 milhões aprovados pelo governador João Doria para apenas um contrato. Sim, milhões de reais para alguém falar bem de si para si mesmo, enquanto falta tudo no estado mais rico do país.

E, após um ano inteiro de pandemia, a ordem ainda é o ineficiente “fique em casa”, afinal eles perceberam que podem saquear muito mais do que os cofres públicos sem que ninguém se oponha. Agora eles saqueiam a nossa liberdade, o nosso direito de ganhar e gastar nosso dinheiro, nos impõem impostos mais pesados e ainda ouvem de uma população acuada que já não raciocina mais um sonoro: obrigado por salvar nossas vidas!

Autora

Patricia Lages é autora de 5 best-sellers sobre finanças pessoais e empreendedorismo e do blog Bolsa Blindada. É palestrante internacional e comentarista do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages