Análise: “Copia e cola” não é receita para o sucesso

Com toda concorrência que temos de enfrentar na carreira profissional e nos negócios não falta quem queira surfar na onda alheia. Será que dá certo?

As pessoas têm confundido inspiração e referência com cópia deslavada

As pessoas têm confundido inspiração e referência com cópia deslavada

Pixabay

Não, não dá para surfar na onda alheia. Por mais que algumas pessoas tenham padrinhos, familiares que lhe garantam oportunidades ou dinheiro para começar um negócio, a falta de talento ou de empenho vai acabar por derrubá-las da onda.

No mundo dos negócios o que todos buscam é cercar-se da máxima garantia possível de que tudo vai dar certo. Ninguém quer investir tempo, dinheiro e energia em algo que pode vir por água abaixo. Mas, em um país como o nosso, cujas incertezas são uma constante, ter garantia de sucesso não passa de um desejo distante.

Nem mesmo fórmulas prontas – como no caso das franquias – que proporcionam sucesso a alguns, garantem imunidade contra o fracasso a todos. É preciso muito mais do que simplesmente comprar um modelo de negócio. O que diremos, então, de quem quer fazer sucesso na base do “copia e cola”? As pessoas têm constantemente confundido inspiração e referência com cópia deslavada.

Nas ocasiões em que tenho a oportunidade de dar mentoria a micro e pequenos empreendedores, tenho visto que, quem está participando de eventos, palestras e cursos são pessoas que realmente tiveram uma ideia original – ou se referenciaram e inspiraram em boas ideias – e estão buscando caminhos para o sucesso por meio de seu trabalho e esforço.

Mas um dos maiores desafios desses empreendedores, depois da falta de educação financeira, tem sido conviver com a concorrência desleal que dá “control C + control V” em tudo o que eles fazem. E isso também acontece nas empresas, quando um “colega” se apropria da ideia de outro para colher os louros. Sei bem como é, pois já passei – e passo – por isso nos dois casos.

A verdade é que parasitas existem e sempre existirão e teremos de aprender a conviver com eles, sem permitir que nos prejudiquem. Os piolhos, por exemplo, incomodam um bocado, mas eles não têm o poder de matar seu hospedeiro. Eles precisam se instalar em alguém para garantir sua sobrevivência, mas podem facilmente ser extirpados quando se tomam as providências corretas.

E é isso que você deve fazer quando quiserem copiar o seu sucesso ou se apropriarem de seus méritos: não permita que esses piolhos desestabilizem você. Não perca tempo tentando tirar um a um, mas aplique na sua cabeça o remédio da indiferença e eles acabarão morrendo. Afinal, sem o seu sangue, eles não sobrevivem. Afaste-se e não perca suas energias se aborrecendo, ao contrário, se estão lhe copiando é sinal de que suas ideias são boas e seu trabalho está fazendo a diferença. Vá em frente sem olhar para trás!

Patricia Lages

É jornalista internacional, tendo atuado na Argentina, Inglaterra e Israel. É autora de cinco best-sellers de finanças e empreendedorismo e do blog Bolsa Blindada. Ministra cursos e palestras, tendo se apresentado no evento “Success, the only choice” na Universidade Harvard (2014). Na TV, apresenta os quadros "Economia doméstica" no programa "Mulheres" TV Gazeta e "Economia a Dois" na Escola do Amor, Record TV. No YouTube mantém o canal "Patrícia Lages - Dicas de Economia", com vídeos todas as segundas e quartas.