Patricia Lages Análise: como a opinião se tornou crime no Brasil

Análise: como a opinião se tornou crime no Brasil

Para além de discussões e debates, dizer o que pensa pode significar grandes complicações para quem revela seu ponto de vista

Hoje há na sociedade o entendimento de que quem pensa diferente deve ser silenciado

Hoje há na sociedade o entendimento de que quem pensa diferente deve ser silenciado

Cdd20/Pixabay

Engana-se quem pensa que prisões arbitrárias e a criminalização da opinião só atingirá pessoas classificadas como “inimigas da democracia”. Até porque, dar poder para que alguns calem os outros já é, por si só, um ataque à democracia. Os valores da liberdade e do direito de opinar podem ser resumidos por uma frase icônica atribuída ao filósofo Voltaire:

“Não concordo com nada do que dizes, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-lo”. 

Hoje em dia, sem que muitos se deem conta, instalou-se na sociedade um princípio contrário e altamente perigoso: quem pensa diferente deve ser silenciado. É comum testemunhar discussões acaloradas, cheias de sentimentos, emoções e desrespeito, mas totalmente vazias de argumentos, principalmente na internet. São ataques que chegam a ser irracionais, movidos pela ideia de que se deve implantar um único pensamento, um único ponto de vista e uma única opinião a respeito do que quer que seja.

As pessoas estão sendo divididas e subdivididas em um sem-fim de minorias – onde quase sempre são incentivadas a buscar seus direitos como se os outros não os tivessem – e se limitam a viver em bolhas que, por sua vez, passam a representar a única, suprema e absoluta verdade. Como todo movimento de manipulação psicológica, essa engenharia social começou de forma sutil, mas com a força da internet, foi criando raízes e tomando forma mais rápido do que muitos poderiam imaginar.

Para “cancelar” uma pessoa, basta um simples toque em uma tela. Para assassinar a reputação de outra, basta fazer um comentário maldoso, preferencialmente que massageie o ego dos que a invejam, e em pouco tempo o trabalho terá sido realizado com sucesso, sem que se encontre um culpado.

Começamos com uma censura velada, fazendo com que muitas pessoas – principalmente conservadoras – prefiram cair na espiral do silêncio a se arriscarem de passar pelo “cancelamento” por parte de uma minoria barulhenta que trabalha voluntariamente para que a agenda “progressista” avance. A questão é que quando a democracia é ameaçada – como vem sendo de uns tempos para cá – todos estamos em perigo, sejamos de esquerda, de direita, de centro ou até mesmo sem posicionamento algum.

Quanto mais cedo entendermos isso e pararmos de fortalecer esse movimento que nos enfraquece como nação, melhor será para todos. A criminalização da opinião transforma todos nós em potenciais réus. Todos, sem exceção.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages