Patricia Lages Análise: Brasileiros têm R$ 8 bilhões 'esquecidos' eminstituições financeiras

Análise: Brasileiros têm R$ 8 bilhões 'esquecidos' eminstituições financeiras

BC recebe milhares de solicitações de devolução de dinheiro “esquecido” somando R$ 900 mil em menos de 24 horas

Está cheio de dinheiro esquecido nos bancos

Está cheio de dinheiro esquecido nos bancos

Pixabay

O Banco Central (BC), colocou no ar o Sistema de Valores a Receber (SVR), onde é possível consultar via internet se há dinheiro “esquecido” em alguma conta bancária. Além da consulta, também é possível solicitar a devolução do valor via sistema. Porém, em menos de 24 horas foram feitas 79 mil consultas, o que sobrecarregou o sistema e interrompeu os acessos temporariamente.

Foram feitas 8,5 mil solicitações de devolução, somando um total de R$ 900 mil. Apesar de expressivo, o valor é uma pequena fração dos R$ 8 bilhões que foram “esquecidos” pelos brasileiros, tanto em bancos quanto em outras instituições financeiras.

Na primeira fase do processo, o BC disponibilizará R$ 3,9 bilhões para que 28 milhões de pessoas físicas e empresas possa solicitar o ressarcimento de valores dos quais, provavelmente, nem sabiam que tinham direito.

Ao ser restabelecido, o sistema permitirá que qualquer pessoa consulte se, em seu CPF e/ou CNPJ, há algum valor a ser devolvido. Isso vale não só para contas corrente e poupança encerradas, mas também para saldos em contas de pagamento (pré ou pós-pagas), para cotas de capital e rateio de sobra de valores em cooperativas de crédito, tarifas e saldos excedentes em consórcios e até restituições de cobranças indevidas em empréstimos e financiamentos.

A princípio, essa última opção está disponível para instituições que assinaram um termo de compromisso com o Banco Central. Posteriormente, o BC pretende incluir outras instituições mesmo sem a assinatura do termo. A previsão para a segunda fase é de que saldos de contas encerradas em corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários (DTVM) também possam ser solicitados, o que somará os R$ 4,1 bilhões restantes.

Obviamente toda essa soma não se trata apenas de dinheiro “esquecido” por clientes e correntistas, mas também por conta do desinteresse das próprias instituições financeiras em fornecer esse tipo de informação. É evidente que, com a tecnologia utilizada nos sistemas atuais, seria perfeitamente possível que os clientes fossem informados automaticamente sobre saldos excedentes e pudessem requerer o devido ressarcimento. Mas, enquanto os mecanismos de cobrança são estáveis feito rocha, quando se trata de benefícios para o cliente, os sistemas já não funcionam tão bem.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

    http://meuestilo.r7.com/patricia-lages