Lifestyle Olímpiadas trouxeram reflexões sobre o papel do esporte no Brasil

Olímpiadas trouxeram reflexões sobre o papel do esporte no Brasil

Fala Que Eu Te Escuto abordou o tema e questionou por que o país não valoriza outras modalidades, além do futebol: falta de investimento ou cultura?

  • Lifestyle | Ana Carolina Cury, Do R7

Nos Jogos Olímpicos em Tóquio, o Brasil conquistou vinte e uma medalhas, o maior número obtido pelo país. Sete delas foram de ouro, seis de prata e oito de bronze, em 13 modalidades. Nos jogos anteriores, no Rio 2016, o Brasil somou 19 medalhas.

Segundo informações do Governo Federal, do grupo dos 302 atletas convocados para os Jogos Olímpicos, 242, o que corresponde a 80%, fazem parte do programa Bolsa Atleta. O Ministério da Cidadania assegurou para o Bolsa Atleta, no ano de 2021, um orçamento de R$ 145,2 milhões, o maior desde 2014. 

Como todos os Jogos Olimpícos, o de Tóquio surpreendeu a todos com histórias recheadas de sacrifícios e superações. Assim, mesmo com o resultado positivo do Brasil, as Olímpiadas nos fazem refletir sobre o papel do esporte e o investimento direcionado a ele.

O Brasil ficou com a medalha de prata no vôlei feminino e voltou ao pódio após ficar sem medalha na Olimpíada do Rio em 2016

O Brasil ficou com a medalha de prata no vôlei feminino e voltou ao pódio após ficar sem medalha na Olimpíada do Rio em 2016

Lance! Galerias

O atacante Richarlison, artilheiro da seleção brasileira, escreveu uma carta criticando a falta de oportunidades para outros esportes. "Passou da hora de nosso país entender que esporte não é só um cara chutando no gol ou enterrando a bola numa cesta: é bem-estar, saúde, disciplina e segurança. Nós levamos o nome do nosso país ao mais alto nível com muito orgulho, geramos exposição e rendimentos, além de representar nossa gente e nossa bandeira. Então, nada mais justo do que haver um retorno mais significativo", detalhou.

Enquete

O programa Fala Que Eu Te Escuto desta quarta-feira questionou os espectadores "Por que o Brasil para na Copa do Mundo, mas não para nas Olímpiadas? Falta de investimento nos esportes ou nossa cultura?"

Para o jornalista Marcos Roberto, o país não investe nos esportes, com exceção do futebol, como deveria. "Nós temos atletas olímpicos, porém não somos uma nação olímpica. É preciso valorizá-los para incentivar o surgimento e crescimento de novos atletas."

O educador físico Luiz Freitas acrescentou que é preciso mais incentivo para mudar a cultura. "É claro que onde mais se investe mais se tem retorno. Então, tenho certeza que se investirmos mais em outras modalidades teremos uma cultura voltada a outros esportes."

Programa discutiu a necessidade do investimento no esporte

Programa discutiu a necessidade do investimento no esporte

Divulgação



Investimentos

Hoje, a distribuição de verba esportiva ocorre por meio da Lei Agnelo/Piva (R$ 300 milhões por ano repassados pela Caixa Econômica Federal ao Comitê Olímpico Brasileiro), do Bolsa Atleta e da Lei de Incentivo ao Esporte. Esses três meios garantem que os valores cheguem aos atletas.

Isso tem feito com que o Brasil melhore seu desempenho, mas para a personal trainer, Francine Marques, é preciso pensar em mais alternativas. "Sabemos que os investimentos entre as modalidades são díspares. Percebo que as pessoas querem conhecer outros esportes, mas têm dificuldades. Hoje em dia, por exemplo, dobrou a procura por aulas de skate. Precisamos pensar em novas formas de valorizar diferentes modalidades, começando com a educação física escolar."

O advogado Leandro Henrique lembrou que o futebol é uma paixão nacional. "É uma questão cultural. Somos induzidos a acompanhar essa modalidade. Porém, com relação aos outros esportes, falta incentivo. É só comparar nosso país com os Estados Unidos por exemplo".

Há nações que priorizam o esporte mais que o Brasil, sobretudo quando se fala em tecnologia e treinos. Nos Estados Unidos, por exemplo, o esporte recebe muitos incentivos fiscais do governo. É valorizado por ser considerado uma parte importante na cultura do país.

"Para 65% das pessoas que participaram da enquete, de fato, falta investimentos. Sabemos que o futebol é uma paixão nacional. Mas, uma coisa chama a outra, se houver investimentos novas modalidades atrairão as pessoas. O esporte tem o poder de ajudar na transformação", conclui o apresentador, Bispo Adilson Silva. 

O programa Fala Que Eu Te Escuto é exibido de terça a sábado pela Record TV, a partir de 00h45. Quem se encontra em outros países pode assistir pela Record Internacional ou pelo Facebook.

Últimas