Moda Alavancada pela quarentena, nail art veio para ficar, diz especialista

Alavancada pela quarentena, nail art veio para ficar, diz especialista

A consultora de moda Costanza Pascolato avalia que essa tendência vai se expandir, principalmente entre os jovens

  • Moda | Brenda Marques, do R7

Nail art é uma tendência permanente e o estilo minimalista tem feito sucesso

Nail art é uma tendência permanente e o estilo minimalista tem feito sucesso

Reprodução/Instagram/gicamargonails

Mais do que um simples ato estético, fazer as unhas se tornou um instrumento de expressão e comunicação. Por isso, a nail art, ou seja, a arte de fazer desenhos nas unhas, é uma tendência que  vai permanecer e se expandir, principalmente entre a juventude, avalia a empresária e consultora de moda Costanza Pascolato, que é membro da Sociedade Brasileira de Moda e um dos nomes mais influentes desse universo.

"A nail art chegou para ficar e vai se expandir cada vez mais, principalmente entre os jovens, porque eles têm uma linguagem diferente e usam [as unhas] como uma forma de afirmação", disse Costanza durante evento virtual de lançamento da coleção de esmaltes Muse of Milan, da O.P.I., que ocorreu na terça-feira (18).

Veja também: Estudantes desenvolvem aparelho para mulheres em transição capilar

A adesão das mulheres brasileiras à nail art dividiu opiniões. Mas a manicure Gisele Camargo, especializada no assunto e famosa por trabalhar com celebridades como Sabrina Sato e Ivete Sangalo, garantiu que a tendência também faz sucesso por aqui.

"Minhas clientes muitas vezes chegam aqui com esmalte vermelho, cinza, e saem com uma nail art, seja de pontinho ou inglesinha", destaca a profissional, que tem mais de 12 mil seguidores no Instagram.

Veja também: Descubra a melhor rotina de skincare para a sua pele

Allegra Barontini, de 25 anos, e neta de Costanza, confirmou na prática o ponto de vista da avó ao mostrar, na reunião virtual, suas unhas da semana: a jovem apostou em uma nail art minimalista, usando diferentes cores da nova linha de esmaltes e pintando apenas uma bolinha em cada uma delas.

Allegra, que nasceu na Itália e atualmente mora em Los Angeles, nos Estados Unidos, ainda explicou que aproveitou a quarentena imposta pela pandemia de covid-19 para ousar e testar novas formas de nail art, mas escolheu algo mais simples dessa vez para não assustar o avô, que iria visitá-la.

Mudanças trazidas pela internet e pela pandemia

Costanza ainda observou que o isolamento social mudou a forma como as mulheres se relacionam com as próprias unhas. "Eu mesma nunca tive unhas tão grandes e fortes", destacou. Ela defende que a moda não é mais guiada por tendências específicas, mas sim pela preferência de cada um. "O que vale agora é o desejo", enfatiza. 

A influenciadora Consuelo Blocker, filha de Costanza, avalia que a internet teve grande papel nessa mudança ao propiciar o que chamou de "empoderamento da personalidade" e a democratização da moda.

Veja também: Nail art da depressão: os desenhos que falharam com sucesso:

Últimas