Lifestyle Lucas e Hari: como superar o fim de um namoro convivendo 24h por dia?

Lucas e Hari: como superar o fim de um namoro convivendo 24h por dia?

Peões de A Fazenda não estão mais juntos, mas enfrentam proximidade excessiva. Especialistas explicam como lidar com isso também na 'vida real'

Superar separação convivendo sempre é um desafio, principalmente em um reality

Superar separação convivendo sempre é um desafio, principalmente em um reality

Reprodução/PlayPlus

Terminar um relacionamento nunca é fácil. Agora imagine ter de conviver com o ex 24 horas por dia, sete dias por semana. 

É o caso de Hari Almeida e Lucas Viana, participantes que viviam um romance em A Fazenda. O ex-casal colocou um fim no namoro no último fim de semana e, agora, tem de lidar com o fato de estar vivendo sob o mesmo teto - e sendo vigiado por milhões de pessoas.

Para o psicólogo clínico Frederico Mattos, autor dos livros Como se Libertar do Ex e Relacionamento para Leigos, o "efeito reality" pesa não só na separação, mas também no início e meio dos relacionamentos.

Veja também: Quem ainda ama bloqueia? Manter ex nas redes é dilema após término

"Eu brinco que existe esse efeito em algumas pessoas, tudo acontece em intensidade maior. Privação de sociabilidade + privação de internet + confinamento + proximidade + carência afetiva = amor ou ódios", explica. "Por isso é até compreensível que alguem queira fazer planos de futuro numa situação dessas. As coisas tomam uma proporção amplificada e de fora achamos as pessoas meio exageradas, mas provavelmente no lugar dela muitos agiriam de forma parecida".

A exposição também é determinante em casos como o de Hari e Lucas, já que, além de lidar com os sentimentos, os peões também se preocupam com o que o público vai achar das atitudes que tomarem. É o que explica Marina Simas, psicóloga e sócia-diretora do Instituto do Casal.

"Está todo mundo de olho na história deles, e eles ficam em uma posição de conto de fadas. Mas, quando tem essa questão do público, além do romance, eles têm que pensar que têm uma imagem a sustentar, e isso pode gerar até uma competição", diz.

O que fazer para superar o término, no caso de Hari e Lucas?

Para Frederico, lidar com a separação dentro de um reality show é um "desafio redobrado, pois a distância tem o efeito bom de permitir um refúgio interior". "Mas também abre espaço para devaneios e recaídas imaginárias", alerta.

Por outro lado, o profissional acredita que, se a proximidade for bem utilizada, pode até ajudar a pessoa a enfrentar o 'luto' com mais transparência. Para isso, no entanto, ela precisa de "maturidade para trocar o pneu com o carro andando".

"Separar o que foi vivido até ali da relação que querem construir dali pra frente. É difícil manter uma amizade, e até nem muito recomendável querer fingir que não houve um rompimento de imediato", explica. "Mas manter a civilidade e cordialidade é possível, afinal, o que baseou a relação anterior era o desejo pelo bem da pessoa. Se esse altruísmo prevalecer mesmo após o rompimento, tudo fica mais fácil."

Ok, tudo isso dentro de um programa de TV. Mas e na 'vida real', quando se é obrigado a conviver com algum ex no trabalho, faculdade etc.?

"Respeitar os ciclos do luto, entender que muitas emoções contraditórias surgirão e não se envergonhar por parecer um pouco confuso. Saber que carinho e raiva podem surgir simultaneamente, assim como desejo e desprezo. Se o orgulho for dando lugar à cura emocional, o processo flui mais fácil. Mas os términos mais difíceis de concluir internamente são aqueles recheados de machucados mais intensos ou de personalidades muito orgulhosas envolvidas. Às vezes um término se arrasta porque o ex-casal segue competindo e repisando feridas mesmo quando não estão mais juntos. Cuidar de si mesmo e fazer novos planos é melhor do que revanchismo", orienta Frederico.

Lucas e Hari protagonizaram recaídas

Lucas e Hari protagonizaram recaídas

Reprodução

Convivência x recaídas

"A convivência pode levar a recaídas [como foi o caso de Hari e Lucas], em especial se o motivo do término não foi por falta de desejo ou amor, mas por incompatibilidade de personalidade e estilo de vida. Na fase de confusão e hesitação sobre as próprias decisões, o ex-casal pode confundir a saudade da parte boa com a vontade de apostar em um recomeço. De modo geral, os mesmos problemas tendem a ressurgir depois que a fase da euforia de retorno acaba. Então, parar de sustentar historinhas na propria cabeça ajuda, se focar na nova rotina, retomar projetos e, em especial, não cair jogos emocionais da outra parte", afirma o psicólogo e escritor.