Remada curvada – Por que incluir em seu treino? Veja a execução correta!

O treino de dorsais é muito importante para um desenvolvimento muscular harmônico e melhora da força e funcionalidade em geral. Neste sentido, a remada curvada é um dos exercícios fundamentais para construir dorsais maiores, mais fortes e funcionais. Porém, é muito importante tomar devidos cuidados e utilizar da forma correta a remada curvada. Remada curvada, …

O treino de dorsais é muito importante para um desenvolvimento muscular harmônico e melhora da força e funcionalidade em geral.

Neste sentido, a remada curvada é um dos exercícios fundamentais para construir dorsais maiores, mais fortes e funcionais.

Porém, é muito importante tomar devidos cuidados e utilizar da forma correta a remada curvada.

Remada curvada, pontos forte e músculos solicitados

remada curvada músculos trabalhados

remada curvada músculos trabalhados

Treino Mestre

De forma geral, a remada curvada é um movimento que permite muita produção de força, amplitude e que traz uma grande necessidade de estabilização.

Você, leitor do Treino Mestre, já sabe que estes são pontos fundamentais na escolha dos exercícios para a hipertrofia!

Além disso, ainda há a a questão da remada curvada ser um exercício multiarticular, o que aumenta ainda mais a solicitação muscular.

De forma simples e direta, a remada curvada combina dois movimentos importantes para o treino de dorsais: extensão do ombro (latíssimo do dorso fortemente ativado) e flexão do cotovelo (bíceps braquial fortemente ativado).

Além disso, ainda temos o trabalho de adução escapular, que vai trabalhar diretamente com músculos como trapézio, romboides, serrátil, deltoide e outros.

De forma sinérgica ou estabilizadora, temos ainda os músculos da região do core, fortemente ativados para a manutenção da posição “curvada” e os músculos da região do antebraço (que podem variar, de acordo com a pegada).

Mas para que estes músculos sejam ativados, é fundamental que a execução do movimento seja correta.

Execução correta da remada curvada feita pelo professor Mateus Cruz:

De forma geral, a remada curvada é feita da seguinte forma:

– Você mantém as pernas levemente afastadas, com os pés posicionados na mesma largura dos ombros.

– Inclina seu tronco a frente (aqui, o nível de flexão depende de seu objetivo e de seu nível de flexibilidade. Com muito peso, o indicado é que a flexão de tronco seja ligeiramente menor).

– Segurando a barra, você vai manter sua coluna estável e com as curvaturas lombares preservadas.

– Puxe a barra de encontro a abdômen, flexionando os cotovelos e “fechando” (abduzindo) as escápulas.

– Se sua consciência corporal permitir, inicie o movimento pelas escápulas, primeiramente iniciando a abdução delas, para depois partir para a puxada propriamente dita.

– Puxe a barra até próximo da região abdominal.

– É muito importante que você não ultrapasse o cotovelo da linha do ombro, por que isso diminui a atividade muscular do latíssimo do dorso.

– Na fase excêntrica (descida), faça o movimento de forma controlada e estenda completamente os cotovelos, até “abrir” as escápulas.

– Evite movimentar o tronco, por que isso traz compensação no movimento e reduz a atividade muscular.

Leia também:

+ 6 dicas para deixar seu treino de dorsais muito mais eficiente

Remada curvada, qual barra ou pegada escolher?

De forma geral, temos algumas variações que podem ser usadas na remada curvada, que envolvem a pegada e o implemento a ser usado:

1- Pegada pronada

2- Pegada supinada

3- Barra reta

4- Barra W

5- Halteres

6- Na polia baixa

Leia também:

+ Pegada supinada, pronada e neutra, conheça os tipos de pegada e sua influência na musculação

Primeiramente, vamos falar das pegadas. Na remada curvada com pegada supinada, teremos uma maior ativação do bíceps braquial, devido a posição do antebraço, que facilita sua contração.

Na pegada pronada, será possível ativar mais fortemente os músculos flexores do punho (antebraço) e reduzir levemente a atividade do bíceps braquial.

Neste sentido, cabe a você e ao seu treinador, entender o que é mais importante: a maior ativação ou não do bíceps braquial. Não há certo ou errado, mas sim, o melhor para cada objetivo.

No caso das barras, temos alguns pontos importantes. A barra W tende a ser mais anatômica, pois permite uma pegada mais funcional. Porém, é natural que nesta pegada, haja uma solicitação muscular do antebraço, um pouco menor (que não quer dizer que não exista. Apenas é menor).

A barra reta permite maior ativação estabilizadora dos músculos do antebraço, mas pode trazer desconforto para quem tem, por exemplo, epicondilite lateral (Epicondilite na rosca direta – como prevenir? 5 Dicas!).

Já na remada curvada com halteres, temos a possibilidade de ter mais mobilidade no punho, o que traz mais variações ao movimento.

Porém, há uma necessidade maior de estabilização e é fundamental que o praticante tenha uma boa consciência corporal.

Enfim, não há melhor pegada ou implemento. O ideal é ter boas variações em seu treino e sempre ter em mente o que se está buscando com aquela execução. Isso facilitará muito a escolha.

Remada curvada, por que usar em meu treino?

Se o seu objetivo é a hipertrofia, a remada curvada é muito importante para potencializar este processo. Um dos fatores que sustentam esta colocação, é que o treino de costas, muitas vezes, não tem a utilização de pesos livres.

Pelo fato de envolver uma puxada, é mais complexo usar este tipo de carga. Por isso, a remada curvada, bem como suas variações, é bem interessante neste sentido.

Quem não apresenta instabilidade na região lombar e nem restrições articulares, pode usar este exercício de maneira segura, desde que bem executado.

Porém, pessoas que tem instabilidade na região lombar, encurtamentos severos de isquiotibiais e glúteos ou que não tem uma consciência corporal mínima, devem optar primeiramente por outros movimentos.

Depois disso, com um trabalho que envolva educativos e melhora dos itens citados, é que podemos utilizar a remada curvada sem maiores problemas.

Vantagens da utilizaçãoem seu treino!

1- Pesos livres

O treino de dorsais, no geral, pela característica de “puxadas”, trás algumas dificuldades quando o foco são os pesos livres. Geralmente acabamos usando mais exercícios em polias e máquinas.

Por isso, um exercício poderoso como a remada curvada, não pode ficar de fora de seu treino, haja vista a importância da utilização de pesos livres para a hipertrofia.

2- Trabalho muscular e funcional variado

Além da forte ativação dos músculos dorsais, deltoides, bíceps e flexores/extensores do punho, a remada curvada ainda ativa fortemente o core, o que é muito importante, tanto para a produção de força, quanto para a funcionalidade.

Leia também:

+ Principais erros da Remada Baixa

3- Movimento multiarticular e de grande amplitude

Outra característica importante para a hipertrofia, é a utilização adequada de movimentos que permitam grande amplitude e que envolvam muitos músculos. Neste sentido, a remada curvada é muito importante para esta finalidade.

A remada curvada é um exercício muito importante para o desenvolvimento de dorsais e para a melhora na produção de força.

Quando bem integrado ao seu treino, este exercício traz excelentes resultados. Treine sempre com a orientação de um bom profissional. Bons treinos!