Um bom vinho para temperaturas mais baixas

Branco, tinto, rosé ou espumante. Saiba como harmonizar bons vinhos e curtir as baixas temperaturas com mais sabor

Uma boa pedida para esquentar é tomar um bom vinho acompanhando as refeições mais aconchegantes

Uma boa pedida para esquentar é tomar um bom vinho acompanhando as refeições mais aconchegantes

Reprodução

As estações mais frias do ano estão chegando e com elas nosso hábitos alimentares também se modificam. Saem os pratos e bebidas mais frescos e chegam à nossa mesa as comidinhas para aquecer o corpo das baixas temperaturas. E para entrar no clima do outono/inverno, uma boa pedida para esquentar é tomar um bom vinho acompanhando as refeições mais aconchegantes.

Por isso, preparamos um pequeno guia sobre os melhores vinhos, quais comidas combinam com os mais variados tipos de vinho, quais os benefícios da bebida e também a melhor forma de armazená-los. E já que o friozinho pode nos garantir um bom estoque da bebida, aproveite o cupom Fast Shop para encontrar a adega ideal e que combine com o seu perfil de consumo. Vamos conhecer um pouco mais do universo dos vinhos?

O que combina com vinho?
Para começar, é interessante pensar quais refeições combinam com cada tipo de vinho. Por exemplo, vinhos brancos e rosés caem bem com peixes e frutos do mar, salada, aves, ou massas que tenham molho branco.

Os vinhos do tipo espumante combinam com pratos mais leves, como saladas, entradas e petiscos. Em alguns casos, os vinhos espumantes mais adocicados também podem acompanhar uma sobremesa ou até mesmo frutas.

Já os vinhos tintos, mais encorpados, podem ser servidos com queijos com a massa mais dura e amarelada, carnes vermelhas, ou cortes mais gordurosos, e massas de molho vermelho. Ou seja, cada tipo de vinho harmoniza com um tipo de comida, para que a combinação seja perfeita em seu paladar.

Como armazenar corretamente o vinho e preservar suas propriedades

Cada tipo de vinho exige uma temperatura específica

Cada tipo de vinho exige uma temperatura específica

Reprodução

Na hora de armazenar os vinhos é preciso se atentar a alguns detalhes, como temperatura, umidade, posição e o tempo. Uma boa opção para manter todas essas variáveis controladas é ter em casa uma adega de vinho, já que elas são projetadas especificamente para o correto armazenamento da bebida.

Cada tipo de vinho exige uma temperatura específica para ser servido, para que ele possa conservar suas propriedades de sabor, textura e acidez, mas a temperatura ideal de conservação é, em média, de 12º. Já a umidade ideal é de 65 a 75%, para evitar que a rolha fique ressecada.

Em relação à armazenagem, o ideal é que as garrafas fiquem deitadas, de forma que a rolha se mantenha em contato com o líquido, evitando entrar oxigênio na garrafa. Já o tempo que um vinho pode ser guardado vai variar de acordo com o tipo de uva. Os brancos duram, sem perderem suas características, de 2 a 3 anos, já os tintos duram mais, com validade de até 10 anos.

Benefícios do vinho para a saúde
Uma boa taça de vinho também traz benefícios para a saúde. Pesquisas apontam que tomar uma taça de vinho tinto regularmente diminui em 20% as chances de problemas cardíacos, previne o diabetes, e é um excelente aliado no combate à demência, ao Alzheimer e à depressão.

O vinho é uma bebida que também faz bem de dentro para fora. Isso porque existem substâncias presentes em sua composição que atuam diretamente nos radicais livres, retardando o envelhecimento da pele e melhorando sua aparência e hidratação.

Afinal: Que vinho escolher?
Essa é uma pergunta bastante pessoal, já que a escolha do vinho dependerá não só do prato com o qual harmonizará, como também do gosto individual de cada um. Há aqueles que prefiram vinhos mais encorpados, outros os mais suaves e ainda os que preferem tomá-lo à temperatura ambiente ou então refrigerados.

Assim, a escolha do vinho passará sempre pelo gosto pessoal. Por outro lado, é importante frisar que para aproveitar não só do sabor, mas também dos benefícios do vinho, é preciso que você tenha o hábito de ingerir somente bebidas de boa qualidade. E fica aqui uma dica importante: vinhos bons não precisam ser caros.

Dica: vinhos bons não precisam ser caros

Dica: vinhos bons não precisam ser caros

Reprodução

Um bom vinho, a depender da safra e do país, pode custar a partir de R$25 reais. Basta escolher de acordo com seu paladar e faixa de preços que está disposto a pagar. O preço não é determinante para a qualidade. Mais importante que isso é preciso verificar a origem e a safra do vinho desejado.

Agora que você já conhece um pouco mais da bebida dos deuses, é hora de escolher seu vinho predileto para brindar à saúde e às coisas boas! Tim-tim!

Últimas