Lifestyle Brasileiros podem escolher qual vacina tomar contra a covid-19?

Brasileiros podem escolher qual vacina tomar contra a covid-19?

Programa Fala Que Eu Te Escuto desta sexta-feira (25) ouviu diferentes opiniões sobre o tema

  • Lifestyle | Ana Carolina Cury, do R7

Vacinação contra a covid-19

Vacinação contra a covid-19

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 19.06.2021

O Brasil já passou a marca de 500 mil vítimas fatais da covid-19, ficando em 2º lugar no ranking de números absolutos de vítimas, atrás apenas dos Estados Unidos e em 8º lugar no ranking mundial, com mais de 2.340 mortes por milhão de habitantes.

Diante deste cenário, a vacina é a grande esperança da população voltar à normalidade. A princípio, o Brasil tem quatro vacinas aprovadas, Janssen, Pfizer, AstraZeneca e CoronaVac, e outras podem ser aprovadas em breve.

No entanto, no momento da vacinação, muitas pessoas preferem a Pfizer, porque leram na internet que essa pode ser uma melhor opção. Só que essa não é a conduta indicada pelos especialistas. Deve ser aplicado o imunizante que estiver disponível, sem a possibilidade de escolha do laboratório.

No programa Fala Que Eu Te Escuto desta sexta-feira (25) foi discutido se é um direito escolher que tipo de vacina tomar ou se é preciso acelerar a imunização.

Para a especialista em engenharia de biotecnologia, Dra. Juliana Thaler, é necessário que se tenha a possibilidade de decidir qual tomar, mas com critérios. “Acredito que temos o direito de escolha, mas não de acordo com o que ouvimos falar de um amigo, parente, vizinho, mas sim sob prescrição médica. O médico é a melhor pessoa para orientar se aquela vacina é a melhor para a pessoa, ou não. Precisamos buscar informações confiáveis e sérias”, observa.

Para a médica, Daniela Cerqueira, se faz necessário acelerar a imunização. “Estamos passando por um momento difícil. Então, precisamos de medidas imediatas, ou seja, precisamos correr para que toda população se vacine. Imagina o caos se todos quisessem escolher a marca da vacina?”, questiona.

Riscos baixos

As possibilidades de efeitos colaterais de todas as vacinas são bem menores do que as possíveis sequelas da doença, por exemplo. Assim, a unanimidade entre os especialistas é que é melhor se vacinar do que ficar vulnerável ao coronavírus.

“Ao se vacinar a pessoa ajuda aumentar a cobertura vacinal, que é o mais importante agora. É claro que seria ótimo se pudéssemos escolher, mas não faz sentido deixar de se vacinar por isso”, opinou a espectadora Sara Ferreira.

Durante o programa foi esclarecido que as vacinas têm eficácias diferentes, mas todas foram aprovas pela Anvisa e, por isso, a população precisa confiar na seriedade da agência.

Conclusão

Diferentes tipos de vacina contra a covid-19: é um direito escolher ou temos que acelerar a imunização?  Os espectadores opinaram que é um direito escolher, mas que é muito importante acelerar a vacinação, aumentando assim a cobertura vacinal, uma vez que quanto mais pessoas vacinadas maior é a chance de os números de mortes caírem.

O programa Fala Que Eu Te Escuto é exibido de terça a sábado pela Record TV, a partir de 00h45. Quem se encontra em outros países pode assistir pela Record Internacional ou pelo Facebook.

Últimas