Saiba como cuidar de cães e gatos durante a pandemia de coronavírus

Até o momento, não há evidências que os animais possam ser infectados ou transmitir a doença, segundo a Organização Mundial de Saúde

Saiba como cuidar de cães e gatos durante o coronavírus

Animais não são transmissores da doença, segundo a OMS

Animais não são transmissores da doença, segundo a OMS

Pixabay

A pandemia de coronavírus vem mudando a rotina de famílias em todo o mundo, mas ainda há muitas dúvidas sobre a relação entre animais de estimação e a covid-19.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está monitorando pesquisas e, até o momento, não há evidências que os bichinhos possam ser infectados ou transmitir a doença causada pelo vírus.

"Neste momento, estamos incentivando as pessoas a interagir com seus animais normalmente", disse o dr. Daniel Smith, do Hospital Veterinário do West Village, ao The Post.

Caso em Hong Kong

No final de fevereiro, o cachorro de um paciente com coronavírus de Hong Kong testou "positivo fraco " para um "baixo nível" do vírus, após testes orais e nasais em 26 de fevereiro. O cão, que não apresentava nenhum sintoma, foi colocado em quarentena de duas semanas e testou negativo antes de morrer na última segunda (16).

Autoridades de saúde acreditam que o animal teve um resultado positivo devido à "contaminação ambiental", segundo o New York Post. Ou seja, os pets poderiam ter o vírus depositado em sua superfície, assim como acontece em corrimão, maçaneta, barras de apoio, tela do celular e outros objetos.

Cuidados para não expor seu animal

Embora ainda não existam evidências sólidas de que os pets possam transportar o vírus, a recomendação é que o tutor tome alguns cuidados para o contato físico caso seja confirmado com a doença:

• Lavar as mãos antes de encostar no animal
• Não beijar ou abraçar
• Manter distância de 2 metros
• Usar máscara para realizar os cuidados diários (caminhada, alimentação, etc)

Tutores devem tomar medidas para não expor o animal ao vírus

Tutores devem tomar medidas para não expor o animal ao vírus

Pixabay

É preciso "restringir o contato como você faria com outras pessoas", pede a Sociedade Médica Veterinária do Estado de Nova York. Higiene é a principal recomendação, nada de tossir ou espirrar e depois colocar a mão no bichinho. Uma outra dica dos especialistas é usar lenço umedecido para limpar as patas do cachorro após o passeio.

“Nós incentivamos que os tutores tomem as precauções necessárias e incorporem os animais em seus planos de preparação para manter a família inteira saudável", diz a doutora Stephanie Janeczko, vice-presidente da American Society for the Prevention of Cruelty to Animals (ASPCA).

A ONG ainda aconselha “kits de emergência” para o período de reclusão: 30 dias de medicamentos, além de pelo menos duas semanas de alimentos e outros suprimentos, como areia no caso dos gatos. A proteção em casa também inclui identificação na coleira: nome, número de telefone e necessidades médicas urgentes.