Adoção responsável: tudo que você precisa saber para receber seu novo amigo 

Está pensando em adotar um pet, mas ainda tem dúvidas? Separamos algumas dicas para te ajudar a receber seu novo animal em casa

Pixabay/Reprodução

Se você está pensando em adotar um cachorrinho ou um gatinho, mas não sabe por onde começar, preparamos uma série de informações e dicas úteis para você descobrir a melhor forma de se fazer isso e como adotar um pet de maneira responsável.

Antes de mais nada, se planejar é fundamental. Pensar sobre qual animal você prefere para conviver é um primeiro passo. Gatos, cachorros, peixes e pássaros são animais diferentes, com comportamentos diferentes e você deve verificar qual personalidade melhor combina com a sua. A adoção de animais não é tão simples quanto parece.

Num segundo momento, é importante analisar se a sua casa está adaptada para receber as necessidades daquele determinado pet. Saber se o seu tempo livre é o suficiente para dar atenção, fazer carinho, brincar, dar comida e se dedicar a outras atividades práticas que o bichinho carece pode ser um terceiro passo bem dado.

Enfim, quando falamos sobre adoção de cachorros ou adoção de gatos estamos envolvendo uma série de questionamentos que precisam ser respondidos antes da tomada de decisão. Para te ajudar nessa missão, confira as dicas e aproveite o cupom Cobasi para dar aquele empurrãozinho nas compras de produtos para o seu pet e equipar sua casa para receber bem o mais novo morador.

Ter ou não ter? Eis a (primeira) questão

Ao se perguntar se é uma boa adotar um bicho de estimação, a primeira coisa que você deve avaliar é: todos na casa onde mora estão de acordo sobre essa iniciativa? Se você mora sozinho ou sozinha, tudo bem. Mas se não, é bom consultar as pessoas que compartilham a moradia com você.

Afinal, a entrada de um animalzinho na vida das pessoas, por menor que ele seja, faz uma baita diferença na rotina de todos, além, é claro, o aumento de responsabilidades e compromissos que cada um assumirá a partir disso. Isso sem falar que outros problemas, como alergias, podem ser um fator determinante.

Atenção: se você é o único adulto da casa, essa decisão pode ficar um pouco mais complicada. Tome cuidado com as promessas feitas pelas crianças quando você perguntar se elas ajudarão com os afazeres e obrigações com o pet (dar banho, comida, limpar a sujeira, passear, etc). Geralmente, na empolgação, as crianças dizem tudo o que você quer ouvir, mas na prática, todas as responsabilidades podem sobrar para você.

Cachorro? Gato? Qual escolher?

Uma resposta rápida e precisa para essa pergunta é: depende. Sim, porque cachorros, gatos, pássaros, coelhos, furões ou qualquer outro animal que você vier a escolher são bichos com personalidades, características e hábitos diferentes. E tudo isso vai depender de você e como você conviveria com cada um desses animais. Você precisa descobrir com qual tipo você se identifica mais. Como cães e gatos são as opções mais procuradas, vamos nos ater a eles, porém, a dica vale para qualquer outro animal.

O primeiro mito que deve ser desmentido é: não é verdade que gatos dão menos trabalho que cachorros. Isso vai depender de uma série de fatores, inclusive, da personalidade individual do bichinho em questão. Sim, os animais, além das diferenças comportamentais também se diferem entre si no que tange à personalidade de cada um dentro de uma mesma espécie. Existem gatos mais sossegados, já outros, são mais serelepes e brincalhões. Da mesma forma funciona com os cãezinhos.

Normalmente, os gatos adultos tendem a ser mais independentes do que os cachorros no quesito da carência de atenção (porém, isso também não é uma regra). Isso vale, principalmente, quando falamos de gatos e cachorros castrados. É normal que o bichinho fique mais "tranquilo" depois desse processo. O que é quase uma regra e você terá que aceitar é o fato de que filhotes costumam fazer mais bagunça e são mais agitados e travessos. Nesse sentido, você terá que ter uma dose a mais de paciência.
 

Necessidades fisiológicas: existe alguma diferença?

Neste item, existe uma grande vantagem dos gatos em relação aos cachorros. Os felinos utilizam as famosas caixinhas de areia e tendem a ser mais "higiênicos". Além disso, muitas pessoas acham mais fácil limpar a caixinha de areia dos gatos do que os tapetes higiênicos ou jornais dos cães.

Também é necessário que haja paciência e disciplina na hora de educá-los e orientá-los, sempre com amor e carinho.

É muito raro ver um gato que não segue essa regra, mas eles existem. Em 90% dos casos, os bichanos são mais "educados" que seus colegas que latem. Eles usam instintivamente a caixinha de areia como seu vaso sanitário personalizado. É natural que, quando filhote, exista alguma dificuldade no início, mas isso logo é internalizado por ele à medida que vai crescendo. Já os cachorros exigem uma prática, dedicação e treinamento maiores, podendo levar um tempo até pegar o jeito.
 

Banho: como isso acontece?
 

Divulgação

Os cães precisam tomar banho. Principalmente, os que possuem pelos mais longos. Eles podem dar mais trabalho e gasto com pet shop. Independentemente do tamanho do pelo do cãozinho, o banho deverá ser dado seguindo um protocolo de cuidados, como, por exemplo, a periodicidade entre um banho e outro, os produtos utilizados nesses banhos, a atenção para não molhar determinadas regiões da face do animal, dentre outras coisas.

Já os gatos são animais bem limpos por natureza, pois eles são autolimpantes. A sua higienização ocorre pelas lambidas que eles dão em seu corpo, eliminando sujeiras e impurezas. Inclusive, há um expressivo número de veterinários que se posicionam contra a dar banho em gatos justamente porque eles não precisam e também porque isso prejudica o olfato dos bichanos, colocando em risco sua identidade e percepção do ambiente.

Porém, cada caso é um caso. Se o seu gato for um bichinho mais "rueiro" e não muito "caseiro", talvez seja bom consultar seu veterinário para verificar a possibilidade de um banho propriamente dito.


Veterinário: o seu melhor amigo tem outro amigo também
 

Divulgação

Infelizmente, ao ter um bichinho de estimação em casa nunca se sabe quando ele irá precisar se consultar com um médico veterinário. Somente um profissional tem a capacidade de avaliar a saúde do seu animalzinho com bases científicas e estudos clínicos. Nunca se deve medicar o seu pet por conta própria, ou porque você recebeu um conselho de uma pessoa que "entende tudo" sobre o assunto.

Por isso, se faz extremamente necessário ter esse cuidado com o seu bicho. Levá-lo ao veterinário não significa necessariamente que ele está doente ou tem algum problema de saúde. Às vezes, a consulta serve exatamente para constatar que ele está 100% saudável e não precisa de nenhuma medicação, tratamento ou internação. Além disso, o veterinário sabe melhor que ninguém de quais vacinas o seu pet necessita e quando é o melhor momento para tomá-las.

Gostou das dicas? Agora é só escolher quem será o seu grande companheiro se preparar para recebê-lo com o cupom de desconto Cobasi!