Sport Life O lado bom e o perigo de adotar o jejum na rotina

O lado bom e o perigo de adotar o jejum na rotina

Existem vários protocolos de jejum, que variam de acordo com o objetivo de cada pessoa, e os efeitos podem ser benéficos ou prejudiciais

Sport Life
Shutterstock

Shutterstock

Sport Life

Recentemente, o jejum se tornou novamente um assunto bastante discutido. Há quem defenda a prática pelos benefícios que ela traz ao organismo, há quem condene pelos malefícios, entre eles o risco de despertar algum transtorno alimentar. Entre diversas opiniões, qual será o real efeito do jejum sobre o corpo? A resposta é: depende.

Existem vários protocolos de jejum, que variam de acordo com o objetivo de cada pessoa, e os efeitos podem ser benéficos ou prejudiciais. Por isso, é preciso levar em conta diversos fatores, como a dieta que o praticante já vem seguindo e o estado de saúde no geral. É bom destacar, ainda, que o jejum não serve para todo mundo – por isso, o acompanhamento profissional é indispensável.

O lado bom

Uma revisão de estudos realizada pelo neurocientista Mark Mattson, da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, revela que há pesquisas que encontraram evidências de que o jejum intermitente é capaz de reduzir os níveis de gordura no sangue e cuidar do coração, uma vez que diminui a pressão arterial e a frequência cardíaca em repouso.

Diferentemente do jejum contínuo, o jejum intermitente é uma estratégia flexível, na qual se come por um determinado período do dia e no restante não se ingere alimentos. Existem diferentes intervalos recomendados e um dos mais comuns é o de 16:8, ou seja, 16 horas de jejum e 8 horas livres para se alimentar de acordo com a fome e a necessidade de cada organismo. “É possível jejuar mais, ou menos, durante as semanas, e também diminuir os horários sem comer. Se a pessoa não estiver se sentindo bem, basta interromper o processo e ingerir algum alimento”, explica o nutrólogo José Carlos Souto, diretor-presidente da Associação Brasileira Low Carb (ABLC). O especialista explica que a simplicidade e flexibilidade do jejum intermitente é o que o torna um atrativo para quem quer cuidar da saúde e até emagrecer, já que essa estratégia alimentar ainda combate inflamações crônicas, diminui a gordura corporal e até colabora com as funções cognitivas.

Os perigos

Algumas pessoas optam por fazer o jejum contínuo, muitas vezes gradativo, começando com 24 horas sem se alimentar, 48 horas e até uma semana. Existem, inclusive, clínicas especializadas para quem quer manter o jejum contínuo em um local controlado; nesses locais, os pacientes podem ficar até um mês sem ingerir nenhum alimento.

Sobre o jejum contínuo, existem muitas controvérsias. Os motivos que levam alguns a optarem pela estratégia de não se alimentar são variados, desde o emagrecimento até razões espirituais. Porém, o diretor-presidente da ABLC alerta que o jejum contínuo pode levar à inanição, ou seja, a uma carência grave de nutrientes. Se o objetivo é emagrecer, ficar muitos dias sem comer também pode causar um efeito desagradável: em vez de fazer o corpo usar a gordura como energia, ele começa a consumir os músculos – e todo mundo sabe como a massa magra é valiosa, certo?

A série de documentários A Indústria da Cura, da plataforma de streaming Netflix, traz o episódio “Jejum”, onde são contadas histórias de quem se internou em uma dessas clínicas especializadas para realizar o jejum contínuo, algumas com finais nada animadores. Há a discussão, ainda, de que, se para algumas pessoas o jejum prolongado pode trazer benefícios, para outras pode promover o contrário, piorando ou desencadeando transtornos alimentares.

Na comunidade científica, ainda não existe consenso sobre o jejum intermitente e o jejum prolongado é visto com ainda mais ressalvas, uma vez que uma dieta hipocalórica bem orientada já é capaz de trazer todos os benefícios, como emagrecimento e controle e prevenção de doenças metabólicas.

Vai seguir? Só com orientação médica!

Vale destacar, novamente, a diferença entre jejum intermitente e jejum prolongado: apesar de contar com diferentes intervalos, o jejum intermitente não cessa a ingestão de alimentos por muitos dias como o jejum contínuo e a intenção é respeitar a fome de cada um. E, o mais importante, lembrar que qualquer estratégia alimentar deve ser acompanhada por profissionais capacitados. 

Muita gente que já segue a estratégia low carb, por exemplo, costuma adotar o jejum intermitente em algumas semanas, uma vez que esse tipo de dieta costuma controlar a sensação de fome. Para o nutrólogo José Carlos Souto, o jejum intermitente é conveniente porque economiza tempo, não estabelece uma relação de dependência com os alimentos que se tem à disposição e pode ser realizado paralelamente a qualquer dieta. Contudo, estratégias alimentares com restrição calórica podem não funcionar no jejum, pois quem as pratica costuma ter sua fome aumentada. Souto alerta, ainda, sobre o cuidado com pacientes diabéticos, que podem ter hipoglicemia grave no jejum, especialmente os que usam medicação que reduz a glicose.

O ideal é aliar as orientações de um profissional da nutrição com o de educação física, para que os planos alimentar e de treinos seja alinhado com o jejum intermitente. Enquanto o mais comum é ingerir uma fonte de carboidrato antes da prática de exercício, aliás, existe a estratégia de treinar em jejum. “Primeiro, é necessário saber se o seu corpo está preparado para essa prática. Eu faço e recomendo, mas o ideal é que haja um preparo antes”, avisa a endocrinologista Bruna Marisa, que também indica a combinação entre dieta low carb e jejum intermitente, buscando sempre uma evolução natural. “Para a prática de treino com jejum, o ideal é primeiro se livrar do vício do carboidrato, aprender a respeitar a sua fome, comer apenas quando se tem vontade, não fazer pico de glicose e de insulina. A gente começa com low carb, depois evolui, diminuindo a fome”, explica.

Com treino ou sem treino, low carb ou dieta convencional, apresentando ou não doenças metabólicas: é imprescindível seguir as recomendações médicas antes de começar qualquer tipo de jejum. E saber que a dieta mais adequada é aquela que funciona para você – há quem vai se dar bem com a estratégia low carb somada ao jejum intermitente e há quem vai preferir uma estratégia com equilíbrio de nutrientes e horários fixos para se alimentar. Consulte especialistas e respeite sempre os sinais do seu organismo.

Últimas