Sport Life Cuidados necessários para diminuir a fadiga nos treinos

Cuidados necessários para diminuir a fadiga nos treinos

Com a mudança nos hábitos e alimentação adequada é possível diminuir a fadiga e a dor muscular para continuar avançando nos treinos

Sport Life
Getty Images

Getty Images

Sport Life

Corrida, musculação, esporte em equipe ou yoga: seja qual for o tipo de exercício físico, uma vez que o praticante já se adaptou, o objetivo é sempre melhorar o desempenho. Mas alguns fatores podem atrapalhar o processo, como o cansaço, as dores musculares e a fadiga nos treinos. Para evitar, ou pelo menos amenizar esses problemas, é necessário atenção aos hábitos diários, como um repouso adequado, somado às orientações de profissionais capacitados e, é claro, à alimentação específica para cada objetivo e organismo.

Menos fadiga nos treinos

Imagine as seguintes situações: você tem 10km a serem completados no treino do dia mas, ao chegar no sexto, as pernas começam a falhar e a velocidade cai bruscamente. Ou, no meio de um treinamento intenso, você precisa fazer uma pausa por causa da sensação de fadiga ou queimação nos músculos. Se isso acontece frequentemente, melhorar o desempenho fica mais difícil, afinal, não é fácil lutar contra o pedido do corpo de parar, certo?

“Muitas pessoas praticam alguma espécie de atividade física, mas poucas pensam na alimentação do dia a dia como algo que poderia interferir no rendimento do treino”, destaca a médica Cintia Rios. Muito mais importante do que se preocupar com as refeições pré e pós-treino é ter atenção ao que se come diariamente. Fazendo boas escolhas do café da manhã à última refeição do dia, em pouco tempo você perceberá melhoras na sua performance.

Alimentação para evolução nos treinos

Contudo, a médica Cintia Rios explica que uma alimentação com a quantidade correta de nutrientes essenciais e a hidratação adequada pode evitar a fadiga nos treinos, ajudando o atleta a dar o seu melhor. “Uma das causas da fadiga muscular é a hipoglicemia e o esgotamento do glicogênio muscular. Depois disso, vem a desidratação, que ocorre, na maioria das vezes, através da eliminação de suor, e que pode chegar a mais de um litro e meio por sessenta minutos de prática esportiva. Precisamos de algo que combata esses fatores”.

Caprichar na ingestão de água, portanto, é fundamental, mas é preciso garantir o aporte de minerais também, presentes principalmente em verduras, legumes e frutas. “Também devemos citar alimentos ricos em vitamina C e em proteínas, que ajudam na formação muscular. Esses alimentos possuem ação antioxidante, que protegem as células, evitando uma possível sobrecarga nas células musculares, evitando aquele cansaço excessivo que muita gente sente e que tira o prazer de um bom treino”, destaca Cintia.

Últimas