Correr pela noite atrapalha o ciclo do sono

Correr em horários alternativos, como no período da noite ou antes do amanhecer, resulta em algumas mudanças no organismo

Sport Life
Shutterstock

Shutterstock

Sport Life

Noite é feita para descansar, dia é feito para se exercitar. Você deve ouvir algo parecido quando o assunto é o melhor período para correr. Quando os olhos captam a baixa luminosidade ao cair da noite, a glândula pineal, localizada no cérebro, começa a produzir melatonina, substância que regula o ciclo do sono, chamado de circadiano. É ela, portanto, que faz com que você durma.

Se você não respeita essa tendência natural do organismo, quebrando esse ciclo ao impedir que o sono tome conta do corpo, é provável que não haja descanso e, assim, seu rendimento caia. “Interromper o ritmo circadiano por vários motivos, inclusive correndo tarde da noite, quando o organismo está regulado para repousar, pode prejudicar a recuperação pós-treino e, com isso, comprometer o treinamento como um todo”, diz Renato Dutra, treinador de corrida e diretor técnico da Run & Fun, consultoria esportiva de São Paulo.

Perdas e ganhos

Segundo o também treinador de corrida Marcos Paulo Reis, diretor da assessoria esportiva de mesmo nome, em São Paulo, o horário adequado para correr é aquele em que você consegue fazer isso. Se você pode correr à noite, por exemplo, então não há alternativa. Mesmo sabendo que esse período não é o mais recomendado, já que coloca o corpo em alerta, prejudicando o descanso que deveria acontecer e, em alguns casos, provoca também insônia. “O importante é você incorporar o treinamento em sua rotina de alguma forma. Melhor correr à noite do que ficar parado”, diz ele. De fato, quem pratica corrida, seja a hora que for, colhe muito mais benefícios do que um sedentário, por exemplo, sujeito a problemas cardíacos ou à obesidade.

Uma receita simples para minimizar os efeitos prejudiciais da corrida noturna sobre o corpo é descansar pelo menos 20 min no horário do almoço. Se possível, tirar um cochilo. “Não resolve, mas ajuda, pois é uma forma de dar um pouco mais de chance para o organismo se reorganizar e recuperar”, diz Renato Dutra. Para ele, o ideal seria correr até às 18 horas. “Assim, o treino é finalizado entre 19 horas e 19h30, deixando o resto da noite para o organismo se preparar para o repouso”, conta.

Se o objetivo é respeitar fielmente o ciclo circardiano e ter melhor rendimento na corrida, é mais indicado treinar à tarde. “Nesse período há um aumento de hormônios fundamentais para o bom rendimento e que permitem melhor recuperação pós-treino, como o cortisol, o GH e a testosterona”, diz Marcos Paulo. “O único ponto negativo é que, nas grandes cidades, há mais concentração de poluentes à tarde, principalmente no final dela”.

E o que dizer, então, daqueles que madrugam para correr? Se você teve uma boa noite de sono, de pelo menos sete horas, isso é até uma vantagem. “Além de dar maior disposição para enfrentar o dia que está por vir, a corrida praticada bem cedo ajuda a emagrecer por provocar a aceleração do metabolismo, até então lento devido ao período de sono, já que é necessário produzir energia a partir de então”, diz Thiago Cardoso, treinador e diretor da Next Run, assessoria esportiva de Brasília (DF). Outra vantagem em correr cedinho: a temperatura está amena, o que ajuda no bom rendimento e é mais confortável no verão.

Últimas