Sport Life Como eliminar a ansiedade, que atinge 9,3% dos brasileiros

Como eliminar a ansiedade, que atinge 9,3% dos brasileiros

Entenda como é possível eliminar os gatilhos de ansiedade para aumentar a produtividade da mente sem prejudicá-la

Sport Life
Pixabay

Pixabay

Sport Life

Sensação de inquietude, apreensão sem porquê, pequenos gatilhos que geram desconforto. Tudo parece bem, mas dentro de você há uma apreensão que te toma por dentro. A ansiedade é uma das doenças mais incapacitantes do século segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo influenciada pelo modo de vida moderno. Mas, se a sociedade atual contribui para o quadro, como driblar a rotina e evitar crises?

O Brasil possui o maior índice de pessoas ansiosas, os dados apontam que 19 milhões de brasileiros têm a qualidade de vida comprometida pela condição, número que representa 9,3% da população do país. “A preocupação é que esses índices que já eram altos antes da pandemia, estejam ainda piores, haja vista o que o mundo está enfrentando”, diz a fisiologista Débora Garcia.

Sociedade como gatilho

A formatação da sociedade e as pressões que ela exerce também não ajudam a melhorar os gatilhos. “Quer arrumar outro emprego e se sente preso no que faz agora. Sabe que precisa cuidar melhor de você, só que a mente é tão sabotadora que você está sempre se cobrando pelo que não fez. Perfeccionismo e auto exigência te atrapalham. Gostaria de produzir mais e ter tempo para si mesmo, só que se perde em seus pensamentos. Todas essas são condições que caracterizam a mente ansiosa”, explica.

Segundo Débora, a maior parte dos problemas são resultado de estados internos, ou seja, da mente e emoções, mas essa chave pode ser virada. “Diversas ferramentas podem reduzir esses efeitos. Uma delas é a prática meditativa, que vai ajudar o indivíduo a aumentar a concentração, já que a ela ajuda a ativar as regiões tencionais do cérebro”, comenta.

No contexto de pandemia, onde o cenário gera comportamentos relacionados ao medo e a cobrança, assim como a perda dos limites entre o público (trabalho e responsabilidade) e o privado (família, amigos e lazer), os cuidados precisam ser redobrados. 

“Estamos muito acostumados e sermos exigidos. Mas com isso acabamos sendo negligentes com os nossos limites. Lazer e descanso também precisam ser prioridades. Não se trata de uma perda de tempo, pois é um ato essencial para a produtividade e a saúde da mente. Somos seres humanos e há vários setores na vida, o trabalho é apenas um deles”, alerta.

Mesmo sendo um cenário que é construído a partir de influências externas, a especialista em fisiologia aponta que é possível contornar os gatilhos. E, com isso, prevenir os efeitos colaterais do problema por meio de técnicas de autocontrole emocional e autoconhecimento.

Últimas