'Mal me lembro de como meu cabelo natural é', diz Maisa sobre transição

Apresentadora de 18 anos falou sobre o processo em vídeo no YouTube e afirmou que está 'redescobrindo' os próprios fios

Maisa Silva falou sobre transição capilar em vídeo

Maisa Silva falou sobre transição capilar em vídeo

Reprodução/YouTube

Maisa Silva tem usado as redes sociais para falar sobre sua  transição capilar, processo em que a pessoa abandona qualquer tipo de química para que os fios voltem ao natural, e, na última quarta-feira (24), publicou mais um vídeo sobre o assunto, desta vez, em seu canal no YouTube.

A apresentadora deixou claro que a transição é muito pessoal e, por isso, o que acontece com ela não necessariamente acontecerá com outra pessoa que passar pelo mesmo processo. Por isso, ao responder perguntas enviadas por fãs, se limitou a falar apenas sobre a própria experiência — que tem sido vivida mais intensamente nesta quarentena. 

"Durante a quarentena, eu decidi que eu não ia fazer [nada no cabelo]. Nenhum dia eu sequei meu cabelo, fiz chapinha, babyliss... nada, nada, nada! Eu só estou usando meu cabelo natural, e muita gente está percebendo e comentando várias coisas", afirmou ela.

Veja também: Famosas aproveitam a quarentena para assumir os cachos naturais

Em um momento do vídeo, Maisa é questionada sobre qual palavra que melhor definiria o processo de transição capilar dela. A jovem de 18 anos respira fundo antes de responder que está 'redescobrindo o próprio cabelo' e que, inclusive, não se lembra direito de como ele é naturalmente.

"Redescoberta. Eu estou redescobrindo meu cabelo, uma coisa que sempre existiu, sempre esteve comigo, sempre teve comprimentos, formatos, cores diferentes, mas eu mal me lembro de como ele é natural", revelou. "Sete anos alisando o cabelo é muito tempo, então estou há dois anos nesse processo de redescoberta".

Veja outros tópicos abordados por ela no vídeo:

Percepções sobre si durante o processo

Maísa: "O que mudou muito foi a minha relação com a minha autoestima. Porque cabelo mexe com a nossa autoestima. Não adianta eu me maquiar se meu cabelo não estiver feito, vou me achar esquisita. E a transição me ajudou a pegar menos pesado comigo mesma e criou uma relação de aceitação muito melhor. E percebendo que cada enroladinha que meu cabelo dá me deixa mais feliz, mais contente, uma coisa que antes eu abominava hoje é motivo de sorriso."

E mais: Juliana Paes aproveita quarentena para deixar cabelo natural

Motivação para continuar

Maísa: "Tem momentos assim que eu olho e falo: 'Nossa, não estou me sentindo bonita'. E o que eu faço para melhorar é pensar no motivo pelo qual eu comecei a transição e o que eu quero ver depois. Isso me dá força para continuar. Eu penso que ficava tantas horas no salão, alisando, a cabeça ardia... eu não quero voltar pra isso. E isso me dá forças para continuar."

Truques do dia a dia

Maísa: "O jeito que meu cabelo tá aqui não é o jeito que eu gosto do meu cabelo, nao é o jeito que eu tiraria uma foto, postaria no Instagram, olharia e pensaria: 'Nossa, que bonita!', porque ele está com várias texturas diferentes, então está naquele ponto 'osso'. Mas eu faço algumas coisas para driblar isso, tranças, coques... tem alguns penteadinhos que você não precisa escovar o cabelo nem fazer chapinha e babyliss."

Influenciar outras meninas

Maísa: "Fiquei muito feliz com o feedback que eu tive de vocês, recebi milhares de mensagens lindas, meninas que vão começar a transição capilar por minha causa. Eu nunca imaginei isso acontecendo."

Assista ao vídeo: