ÁREA DE MULHER Gravidez geriátrica, o que é? Principais riscos para a mãe e o bebê

Gravidez geriátrica, o que é? Principais riscos para a mãe e o bebê

A gravidez geriátrica, é a gravidez que ocorre depois da idade considerada ideal para engravidar, ou seja, após os 30 anos de idade. Essa matéria Gravidez geriátrica, o que é? Principais riscos para a mãe e o bebê foi criada pelo site Área de Mulher.

Area de Mulher

O tempos mudaram e hoje em dia cada vez mais as mulheres estão priorizando mais a sua própria independência e sucesso profissional. E como sabemos isso leva tempo, por isso muitas mulheres estão deixando os planos de maternidade mais para o futuro. Você muito provavelmente já deve ter ouvido falar sobre gravidez geriátrica, ou tardia, não é mesmo?

Atualmente mais e mais mulheres estão engravidando depois dos 30 anos. O que para muita gente é a fase onde a pessoa já está mais estabilizada e pronta para formar uma família. O que é muito bom, tanto para a mãe quanto para a criança, já que mostra um maior preparo para a maternidade. No entanto, o corpo da mulher muda muito rápido, e consequentemente a sua capacidade de gerar outra vida.

A partir dos 30 anos, a mulher já encontra maiores dificuldades para engravidar, e quando isso acontece, a gravidez é considerada de risco. Não é nada grave, mas o fato é que o corpo da mulher não está mais no auge da sua fertilidade, como aos 20 e poucos anos. E isso implica em alguns riscos durante a gestação, tanto para a mãe quanto para o bebê.

Por isso, hoje iremos entender melhor o que é a gravidez geriátrica, e quais os riscos que isso representa para a gestação. Além dos benefícios, porque apesar de o corpo da mulher ser diferente nessa idade, a sua cabeça também.

O que é gravidez geriátrica

Area de Mulher

Area de Mulher

Area de Mulher
Grão de Gente

Antes de entender o que é gravidez geriátrica, precisamos entender que o corpo da mulher muda muito de acordo com cada fase e isso obviamente afeta a sua capacidade de engravidar. Mas isso também está relacionado ao momento em que vivemos.

Por exemplo, socialmente o conceito de idade ideal para se ter um filho é variável, isso vem mudando ao longo do tempo. Seja pelos avanços na medicina, mudanças no contexto social e econômico, empoderamento feminino e outros.

Na década de 1960, a idade considerada ideal para engravidar era d0s 18 aos 25 anos, hoje em dia isso mudou, e agora a idade para se engravidar é entre os 20 e 30 anos. E isso está de acordo com o ponto de vista da medicina, já que nessa fase da vida da mulher a sua fertilidade está em alta, os óvulos são mais novos, e isso representa um risco menor de problemas durante a gestação.

Apesar disso, hoje em dia há uma tendência cada vez maior de mulheres tendo filhos cada vez mais tarde. Em nível global, cerca de 54% das mulheres estão optando por engravidar depois dos trinta anos de idade, o que caracteriza uma gravidez geriátrica.

Portanto, a gravidez geriátrica é uma gravidez que acontece depois dos 30 anos de idade. E isso é ainda mais complicado em gestações a partir dos 35 anos. Desse modo, os riscos de complicações gestacionais e problemas de malformação fetal aumentam gradualmente de acordo com a idade da mulher. Então, quanto mais tempo passar, mais difícil será para a mulher engravidar e maiores serão os riscos para a gravidez.

Riscos da gravidez geriátrica

Area de Mulher

Area de Mulher

Area de Mulher
Bebê

Então, dos 30 aos 35 anos, ainda é considerado pela medicina uma época propícia para uma gravidez. Contudo, uma gravidez geriátrica também é uma gravidez de risco. Isso porque a mulher tem maiores chances de ter problemas ou doenças que podem representar riscos para a saúde do bebê e dela própria. Sendo assim, vamos conhecer quais os riscos da gravidez tardia para ambos.

Riscos para a mãe

Para a mãe, os principais riscos de uma gravidez geriátrica são:

Pré-Eclâmpsia: uma condição que pode ocorrer durante a gravidez devido a pressão arterial da mulher estar acima do normal. No entanto, se descoberta no início da gravidez, essa condição pode ser trata e controlada, mas se apresentar complicações pode resultar em um prato prematuro. Diabetes Gestacional: essa é uma complicação comum em uma gravidez tardia, mas que pode vir sem nenhum sintoma muito específico. Apesar disso, o aumento da fome, sede e visão turva podem ser indicativos de diabetes gestacional. No caso de não ser tratada precocemente, a diabetes gestacional pode causar várias complicações e até evoluir para diabetes crônica. Hipertensão: é caracterizada por uma maior pressão exercida pelo sangue nas veias e artérias. Os sintomas incluem dores de cabeça e barriga, inchaço no corpo e visão turva. O tratamento precoce é essencial para evitar complicações futuras.

Riscos para o bebê

Já pra o bebê, os riscos de uma gravidez tardia incluem:

Síndrome de Down: é uma condição causada por um equívoco na divisão celular durante a gestação. Sendo assim, os portadores dessa síndrome tem três cromossomos no par 21 ao vez de 2. Então, como os gametas da mulher envelhecem com o passar do tempo, quanto mais tempo passar, maiores serão as chances da criança ter essa síndrome. Portanto, aos 35 anos as chances de o bebê nascer com síndrome de Down são de 0,5% e aos 40 as chances sobrem para 1%. Aos 45 anos, as chances figuram entre 3% e 4%. Maior chance de aborto espontâneo: em uma gravidez tardia, o risco de acontecer um aborto espontâneo ou até a morte do bebê no parto crescem consideravelmente. Em uma gravidez de uma mulher ao 24 anos, o risco de isso acontecer é de 7,8%, no caso de uma mulher de 45 anos, o risco é de 74,7%, ou seja, um aumento muito expressivo. Maior chance de parto prematuro: é outro risco da gravidez geriátrica. O problema disso, é que quando o parto ocorre antes das 37 semanas de gestação, há um grande risco de o desenvolvimento do bebê não estar completo. Sendo assim, é possível que ele seja mais suscetível a desenvolver doenças ao longo da vida. Mas nesse caso, fazer o pré-natal corretamente pode evitar que ocorra um parto prematuro.

Benefícios da gravidez geriátrica

Area de Mulher

Area de Mulher

Area de Mulher
Sou Mamãe

Contudo, apesar de todos os riscos serem reais, e a gravidez geriátrica ser considerada de risco, engravidar após a idade tida como ideal também tem os seus benefícios. Se tomar os cuidados corretos durante a gravidez, as chances de uma gravidez de sucesso e um bebê saudável são bem maiores e tem o seus pontos positivos. Confira os benefícios de uma gravidez tardia:

Maturidade: geralmente, as mulheres mais experientes tem mais maturidade para lidar com várias questões da vida, e isso pode ser ótimo para ela e para o seu filho. Com isso, a tendência é que ela tenha mais paciência para lidar com as questões que envolvem criar uma criança, e que muitas vezes pode ser um problema para mães mais novas. Provavelmente, essa é a maior vantagem de ter um filho depois dos 30 anos. Estabilidade financeira: não que isso seja uma regra, mas para muitas mulheres a decisão de adiar a maternidade é para se dedicar a carreira e se estabilizar financeiramente antes de ter um filho. Então, nessa fase, é mais esperado que ela tenha uma vida financeira estável e condições para arcar com os vários gastos de criar um filho. Tempo: esse é um ponto importante quando se decide ter um filho. Então, devido ao momento da vida, é esperado que a mulher tenha mais tempo para se dedicar a maternidade e vivenciar cada etapa do crescimento da criança.

Enfim, o que você achou dessa matéria? Aliás, aproveite para conferir também as chances de engravidar nas diferentes fases da vida.

Fontes: Lifestyle ao Minuto Trocando Fraldas Bebê

Imagem destacada: Cura

Imagens: Grão de Gente Sou Mamãe Bebê

Essa matéria Gravidez geriátrica, o que é? Principais riscos para a mãe e o bebê foi criada pelo site Área de Mulher.

Últimas