ÁREA DE MULHER Alergias na gravidez – Possíveis causas e tratamentos

Alergias na gravidez – Possíveis causas e tratamentos

As alergias na gravidez podem ser extremamente incômodas e não devem ser negligenciadas. Dependendo do caso, é possível tratá-las de acordo. Essa matéria Alergias na gravidez – Possíveis causas e tratamentos foi criada pelo site Área de Mulher.

Area de Mulher

As alergias na gravidez não são incomuns, mas podem ser extremamente incômodas para as futuras mamães. Normalmente, o quadro já existe antes mesmo da gestação, e é agravado pelas intensas mudanças hormonais que o organismo passa enquanto gera o bebê. Por outro lado, muitas mulheres desenvolvem alergias durante a gravidez. Cerca de 8% delas são acometidas pelo problema, as mais comuns variando entre rinite, dermatite atópica e asma.

A sensibilidade aos alérgenos traz junto de si outros sintomas, como a coceira intensa e os comichões, por exemplo. Além disso, é normal que muitas sofram com a pele seca e o alongamento da derme em várias regiões, alterações que aumentam as chances de sofrer com urticárias. É importante lembrar, porém, que a coceira nem sempre está relacionada com a gestação. Muitas vezes, a piora dos sintomas é ocasionada por doenças de pele e alergias pré-existentes.

Mesmo que a situação seja consideravelmente desgastante, não é necessário que as mulheres sofram com as alergias na gravidez, com medo de tratar o problema por conta da gestação. Antes de tomar qualquer decisão, é essencial consultar-se com um obstetra para descobrir a melhor forma de sanar o problema. Seja como for, o problema pode e deve ser solucionado, proporcionando maior tranquilidade para as grávidas.

Alergias na gravidez

Alergias na gravidez

Area de Mulher
Fonte: Gestação Bebê

Abaixo, você pode conferir as possíveis causas de alergias na gravidez, bem como a melhor forma de sanar o problema.

Possíveis alergias na gravidez

De antemão, é importante saber que as alergias durante a gravidez não são perigosas para o bebê, desde que tratadas de modo adequado. Dependendo do caso, porém, é necessário maior atenção. No caso da asma descontrolada, por exemplo, os sintomas podem causar a diminuição na quantidade de oxigênio e no fluxo de suprimentos do sangue do bebê, tornando o tratamento crucial para assegurar o bem-estar tanto da mãe quanto da criança.

1 – Asma na gravidez

Area de Mulher

Area de Mulher

Area de Mulher
Fonte: Guia do Bebê

Você sabia que cerca de 8% das gestantes no mundo são acometidas pela asma? Os números apontam que, daquelas que já possuíam a doença antes da gravidez, 1/3 permanece estável, 1/3 apresenta melhora e o outro 1/3 descobre piora dos sintomas. Geralmente, crises de asma ocorrem durante 24ª e a 36ª semana da gestação. Seja como for, é crucial que a doença seja tratada e acompanhada durante todo o período de gravidez, monitorando as crises e a normalização da função pulmonar.

2 – Colestase da gravidez

Alergias na gravidez

Alergias na gravidez

Area de Mulher
Fonte: MD Saúde

Uma das maiores causas da coceira durante a gravidez é a colestase, uma condição onde existe a irregularidade do metabolismo hepático. Por função disso, sais biliares se acumulam por todo o organismo da gestante, fazendo com que o sal que se deposita na pele cause coceiras intensas e incômodas. Ela ocorre durante o terceiro trimestre da gravidez. Normalmente, as coceiras iniciam-se nas palmas das mãos e dos pés e então espalham-se pelo corpo inteiro.

Todavia, apesar das alergias na gravidez não serem de grandes riscos para a gestante, no caso da colestase, é necessário redobrar os cuidados. A condição pode comprometer de forma grave a saúde do bebê, levando até mesmo à morte. O perigo torna-se maior quando os sais biliares se concentram na placenta, comprometendo os vasos sanguíneos responsáveis por transportar nutrientes e oxigênio. Existe ainda o risco de parto prematuro.

Além da coceira, a colestase pode também apresentar sintomas como a fadiga, insônia, urina escura, pele amarelada e fezes muito claras. De forma que seja possível tratar o problema, é essencial que o diagnóstico seja feito o mais cedo possível. Quando confirmada a condição, exames são feitos e o pré-natal é acompanhado com ainda mais rigor, monitorando a saúde do bebê com ultrassons e cardiotografias. Apesar disso, a maioria dos casos de colestase exige que o parto seja antecipado, mas nada compromete o nascimento do pequeno.

3 – Dermartose alérgica

Area de Mulher

Area de Mulher

Area de Mulher
Fonte: Vuelo Pharma

Outro dos incômodos mais populares entre as gestantes é a dermatose alérgica, que se apresenta no formato de angioedemas, urticárias ou dermatite atópica. A causa de sua aparição é a mudança hormonal intensa que ocorre no organismo da mulher, alterando os níveis e ocasionando na coceira intensa.

A urticária, por exemplo, surge no formato de placas avermelhadas na pele que são extremamente incômodas. O angioedema atinge as camadas mais profundas da derme, manifestando-se como inchaço nas pálpebras, lábios, face, área genital, mãos e pés. Já a dermatite atópica é um eczema, ou uma inflamação, acompanhado de muita coceira.

De forma que seja possível evitar o problema, é importante cortar do cardápio os alimentos com muitos corantes e altamente alérgicos, bem como optar por roupas mais confortáveis e macias, que não causem atrito e agravem a coceira. No caso dos cosméticos, caso algum acione a reação alérgica, é necessário suspender o uso imediatamente e consultar um médico.

4 – Candidíase

Area de Mulher

Area de Mulher

Area de Mulher
Fonte: Biologicus

A candidíase também é um problema comum que afeta as mulheres durante a gravidez. Pelo fato dos níveis de estrogênio aumentarem de forma irregular, é favorecida a proliferação da bactéria Candida Albicans, da cândida, que está presente na região vaginal. Assim, surge a coceira intensa e incômoda, bem como o corrimento leitoso. Além disso, a região atingida pela bactéria pode ainda ficar sensível e inflamada.

Apesar de não existirem riscos ocasionados pelo problema, o canal do parto pode ser contaminado, o que causa o sapinho, ou candidíase oral na boca do bebê. Assim, durante a amamentação, é provável que a mãe desenvolva candidíase mamária, o que pode ser extremamente incômodo.

É possível tratar o quadro por meio de pomadas, cremes vaginais e antifúngicos, todos receitados por um obstetra. É preciso evitar ao máximo os protetores diários e papéis higiênicos perfumados, porém sabonetes específicos para a região íntima são recomendados.

5 – Pele seca na gravidez

Alergias na gravidez

Alergias na gravidez

Area de Mulher
Fonte: Guia Infantil

No caso da pele seca, a situação é geralmente agravada durante o inverno. Quanto menos hidratação a pele recebe, mais fácil se torna sentir muita coceira, e o problema pode ser facilmente aliviado por meio de hidratação diária com um creme neutro e a ingestão de muita água. Os banhos muito quentes devem ser evitados, pelo fato de retirarem a oleosidade natural da derme e aumentarem a sensação de ressecamento.

6 – Erupção polifórmica

Area de Mulher

Area de Mulher

Area de Mulher
Fonte: Bebê Abril

A erupção polifórmica é outra das ocorrências mais comuns durante a gravidez. Assim como outros casos expostos, o quadro não causa risco nenhum ao bebê, mas é extremamente incômodo à mãe. Junto da coceira intensa, outras lesões podem surgir, como pequenas bolhas, manchas no formato de alvo e pápulas como bolinhas.

As causas do problema são desconhecidas, mas é possível que a erupção polifórmica surja em razão do estiramento excessivo da pele, provocando uma resposta defensiva do organismo. O quadro é comum em gestantes que ganharam muito peso ou mães de primeira viagem, ou até mesmo em gravidez de gêmeos.

É possível tratar a situação por meio de remédios específicos receitados por um obstetra, mas a coceira não deve de forma alguma ser negligenciada. Quando se coça a pele com muita força, tornam-se maiores os riscos de ferimentos, permitindo o acesso de bactérias e microrganismos variados.

Outras formas de aliviar alergias na gravidez

Existe ainda a possibilidade de aliviar os sintomas de alergias na gravidez por meio de medidas mais simples, mas que ainda devem ser aprovadas por um médico. Por exemplo, é importante evitar fazer aquilo especificado como causas da alergia, evitar o contato com animais, banhos muito quentes e coçar a região afetada com muita força. Também é importante evitar sinais que pioram os sintomas, como o fumo do cigarro e cheiros fortes no geral.

Area de Mulher

Area de Mulher

Area de Mulher
Fonte: Nutri Total

É possível utilizar diariamente soluções salinas para lavar o nariz e eliminar os alérgenos, para aquelas que sofrem de alergias respiratórias. A prática constante de exercícios seguros para o bebê é uma ótima forma de relaxar e gerir o estresse, que aumenta a aparente vontade de coçar o corpo. Alimentos saudáveis devem ser incluídos na dieta da gestação, como aqueles com a presença de ômega 3, que auxilia na prevenção de alergias, ou vitaminas C, D e E.

O que você achou dessa matéria? Se te interessou e foi útil, confira também Manchas durante a gravidez – Causas, tratamentos e prevenção

Fontes: Tua Saúde, Cordvida, Asbai, Sempre Família

Imagens: Bebê Abril, Nutri Total, Guia Infantil, Biologicus, Vuelo Pharma, MD Saúde, Guia do Bebê, Gestação Bebê

Essa matéria Alergias na gravidez – Possíveis causas e tratamentos foi criada pelo site Área de Mulher.

Últimas